Logo BP Money
Criptomoedas: 51% dos latino-americanos já utilizaram ativos digitais, aponta pesquisa da Mastercard
AliExpress anuncia ampliação no número de voos para o Brasil
Web 3.0

NFTs: Brasil é o segundo maior comprador de tokens não-fungíveis do mundo

Cinco milhões de brasileiros possuem ao menos um NFT, segundo pesquisa

por Redação BP Money

22 de junho de 2022 15:57Atualizado em: 22 de junho de 2022 16:09
NFTs: Brasil é o segundo maior comprador de tokens não-fungíveis do mundo

O mercado de NFTs (Tokens Não-Fungíveis) cresceu muito desde o ano passado, popularizando os tokens em escala mundial. E o Brasil não é uma exceção. Segundo uma pesquisa feita pelo Statista, o Brasil ficou em segundo lugar em um ranking de adesão mundial aos NFTs. 

De acordo com a pesquisa, pelo menos cinco milhões de brasileiros possuem um NFT, o que corresponde a 2,3% da população nacional. O País só ficou atrás da Tailândia, onde 5,3 milhões de habitantes são detentores de NFTs. Em seguida vieram os EUA, China, Canadá e Alemanha. 

A alta adesão aos NFTs no Brasil é decorrente da popularidade dos games em blockchains, como o Axie Infinity. No jogo, que se assemelha à premissa do Pokémon, os players jogam com Axies, uma espécie de avatar em NFT, sendo que cada Axie possui habilidades específicas. 

Mercado de NFTs recua em 2021

Segundo o Chainalysis, os NFTs movimentaram mais de US$ 30 bilhões nos quatro primeiros meses do ano, se aproximando do valor total transacionado em 2021, de US$ 40 bilhões. No entanto, o relatório ressalta que os altos números são atribuídos a transações pontuais e volumosas, que sozinhas representam quase metade do valor total. 

No geral, o mercado de NFTs está recuando, de acordo com dados do NonFungible. Entre janeiro a maio deste ano, a média diária de negociações tem sido de 20 mil, o que representa uma queda de 92% em relação ao pico de setembro de 2021, quando atingiu 225 mil transações diárias. 

Os NFTs estão sendo afetados pela crise dos criptoativos, com as sucessivas quedas na cotação do Bitcoin (BTC) e outras criptomoedas. Além disso, as altas na taxa de juros pelo Fed (Federal Reserve, o banco central norte-americano) e a crise da rede Terra (LUNA) também acenderam o alerta vermelho para o mercado.