Logo BP Money
Apple (APPL34) e Kim Kardashian lançam nova coleção de fones
Locaweb (LWSA3) é “top pick” no setor, defende BofA
Web 3.0

Criptomoedas são esquema de pirâmide, diz professor

Para Jorge Stolfi, professor da Unicamp, os criptoativos não possuem valor algum

por Redação BP Money

22 de julho de 2022 14:33Atualizado em: 22 de julho de 2022 14:54
Criptomoedas são esquema de pirâmide, diz professor

As criptomoedas vêm colecionando admiradores e críticos nos últimos anos. Entre os críticos mais conhecidos, destaca- se Jorge Stolfi, professor titular da Unicamp e Ph.D. pela Universidade de Stanford. Segundo Stolfi, as moedas virtuais não passam de um grande esquema de pirâmide, além de não terem nenhum valor intrínseco.

"Todos os bitcoins em circulação somam 400 bilhões de dólares. Mas isso é imaginário, porque não tem nada em nenhum lugar que valha um real. Uma hora dessas as pessoas vão perceber isso e vender tudo antes que os outros percebam", afirmou Stolfi.

Em entrevista ao portal "DW Brasil", o professor explicou por que as criptomoedas não geram valor e o comércio delas beneficia apenas quem está no topo do sistema. 

"Quando você investe em criptomoedas, a única maneira de receber o dinheiro de volta é com um outro investidor colocando dinheiro, porque não há nenhuma fonte que possa dar esse dinheiro de volta. Na pirâmide financeira, você tem uma estrutura em que o seu nome vai subindo e, quando chega lá em cima, você ganha um monte de dinheiro, mas porque ele vem de outros que investiram na pirâmide", relatou

"A rede de bitcoin não tem absolutamente nada. Não tem bens, não em produtos, não tem nada. Qualquer dinheiro que você coloca, quando compra bitcoin, vai imediatamente para o bolso do investidor ou do minerador, que está no topo da pirâmide”, completou 

De acordo com Stolfi, muitas pessoas ainda investem em criptomoedas porque desconhecem o mundo dos investimentos. 

"Quem entende de investimento, quando vai investir em ações de uma empresa, a primeira coisa que pergunta é como são as finanças da empresa, quantos produtos ela vende e qual o lucro dos últimos anos. Mas quem investe em bitcoin não é esse tipo de investidor. É o pessoal que não entende essa lógica, não consegue nem entender que tem investimentos produtivos”, explicou. 

O professor da Unicamp ainda afirma que o preço do bitcoin é um número aleatório, visto que nenhum investidor realmente sabe seu preço real. Segundo Stolfi, as criptomoedas fazem parte de uma bolha prestes a explodir. 

"Mas um dia todo esquema de pirâmide entra em colapso, porque não tem nada lá dentro. Hoje, todos os bitcoins em circulação somam 400 bilhões de dólares. Mas isso é imaginário, porque não tem nada em nenhum lugar que valha um real. Uma hora dessas, as pessoas vão perceber isso e vender tudo antes que os outros percebam”, completou o crítico das criptomoedas