Logo BP Money
Criptomoedas: 51% dos latino-americanos já utilizaram ativos digitais, aponta pesquisa da Mastercard
AliExpress anuncia ampliação no número de voos para o Brasil
Web 3.0

Criadora da TerraUSD vira alvo de investigação da SEC

A SEC investiga se a empresa violou as leis dos EUA ao comercializar criptomoedas

por Alexandre Puga

9 de junho de 2022 17:23Atualizado em: 9 de junho de 2022 19:19
Criadora da TerraUSD vira alvo de investigação da SEC

A Terraform Labs, criadora da stablecoin TerraUSD (UST) e do token Terra (LUNA) está sendo investigada pela Securities and Exchange Commission (SEC, a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA). A SEC está investigando se a empresa registrada em Cingapura violou as leis do país ao comercializar criptomoedas. A informação foi publicada pelo portal norte-americano "Bloomberg'' nesta quinta-feira (09).

De acordo com a “Bloomberg”, os membros da Divisão de Execução da SEC estão apurando se as regras de proteção ao investidor foram quebradas pela comercialização dos tokens da Terraform. 

O fundador da Terraform, Do Kwon, já estava sendo investigado pela SEC por seu papel na construção do Mirror Protocol, plataforma que permite aos usuários negociar “ativos sintéticos”, tokens que reproduzem o valor de ações.

Tanto a criptomoeda LUNA quanto o stablecoin TerraUSD tiveram perdas significativas em seu valor no mês passado, afetando muitos investidores. Em maio, para escapar do fundo do poço, Kwon apresentou um plano para salvar o projeto, que consistia em relançar a rede Terra. Com respaldo da comunidade, a atual Terra (LUNA) passou a se chamar Terra Classic (LUNC).

Depois de ser lançado como um novo blockchain, a Terra Classic (LUNC) iniciou sua nova caminhada em forte queda. Desde o lançamento da Terra 2.0, no sábado (27), a nova moeda digital da Terraform Labs registra perdas de mais de 50%.

No começo de junho, por conta do colapso da TerraUSD, o governo sul-coreano formou um comitê para controlar o mercado de criptomoedas, com a intenção de criar medidas de proteção aos investidores, monitorar negociações desleais e fornecer critérios para a listagem de moedas pelas exchanges (plataforma digital que oferece a compra, a venda e a troca de criptoativos). A supervisão do mercado cripto está sendo feita por uma série de departamentos governamentais e órgãos de fiscalização, como a Comissão de Serviços Financeiros e o Ministério da Estratégia e Finanças.