Logo BP Money
Criptomoedas: 51% dos latino-americanos já utilizaram ativos digitais, aponta pesquisa da Mastercard
AliExpress anuncia ampliação no número de voos para o Brasil
Brasil

Luiza Trajano, dona do Magazine Luiza (MGLU3), deixa lista de bilionários da Forbes

A fortuna da empresária está em queda desde 16 de julho de 2021, quando chegou ao recorde de US$ 5,6 bilhões (R$ 28,6 bilhões)

por Alexandre Puga

14 de junho de 2022 19:12Atualizado em: 14 de junho de 2022 19:14
Luiza Trajano, dona do Magazine Luiza (MGLU3), deixa lista de bilionários da Forbes

Luiza Trajano, fundadora do Magazine Luiza (MGLU3), não faz mais parte da lista global de bilionários da revista "Forbes". A fortuna da empresária está em queda desde 16 de julho de 2021, quando chegou ao recorde de US$ 5,6 bilhões (R$ 28,6 bilhões), segundo a Forbes. Com um recuo de aproximadamente 90% nos últimos 11 meses das ações da varejista, os papéis da Magalu, que valiam em torno de R$ 24,00 no meio de 2021, são negociados a R$ 2,54 nesta terça-feira (14)

A queda pode ser explicada pelo aumento da inflação e da taxa de juros e pela guerra entre Rússia e Ucrânia, eventos que acabaram diminuindo o poder de compra dos consumidores brasileiros, o que afetou diretamente as empresas de varejo e e-commerce.

Além disso, a entrada no Brasil de companhias asiáticas de comércio on-line, como Shopee, AliExpress e Shein, deixou o setor de varejo e e-commerce ainda mais concorrido. 

Em dezembro de 2021, a fortuna da presidente do conselho do Magazine Luiza já havia encolhido para US$ 1,4 bilhão (R$ 7,1 bilhões), uma desvalorização de 75%, ou US$ 4,2 bilhões (R$ 21,5 bilhões), em seis meses. No período, a taxa Selic passou de 4,25% para 9,25% ao ano. 

Em 2022, a empresária bilionária brasileira perdeu cerca de US$ 1,6 bilhão (R$ 8,1 bilhões) de janeiro a maio, período em que os papéis da Magalu apresentaram queda de cerca de 63,4%.

No primeiro trimestre de 2022, a companhia de Luiza Trajano apresentou um prejuízo de R$ 161,3 milhões, influenciada pelo aumento de despesas financeiras, apesar da alta de 13% de suas vendas totais em relação ao mesmo período de 2021 e da melhoria da rentabilidade, com a margem bruta crescendo 2,7 pontos percentuais.