Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.

Brasília

Guedes diz estar confiante com aprovação da reforma do IR

Redação BP Moneyem 10 de setembro de 2021 16:00
  • As declarações foram feitas em evento realizado pelo Credit Suisse;
  • O ministro da economia mostrou estar confiante quanto a a provação da reforma do Imposto de Renda no Senado;
  • Segundo ele, o importante é seguir a OCDE, voltando a taxar lucros e dividendos e desonerando as empresas;
  • A respeito da pessoa física, o parlamentar indicou que a 32 milhões de contribuintes irão se beneficiar da correção da tabela do IR.

Em evento realizado pelo Credit Suisse, Paulo Guedes, ministro da economia, mostrou estar confiante quanto à aprovação da reforma do Imposto de Renda no Senado, da mesma forma que ocorreu na Câmara.

Segundo o ministro, o importante é seguir a Organização para Cooperação e Desenvolvimento (OCDE), voltando a taxar lucros e dividendos e desonerando as empresas.

Guedes ainda afirmou que, inicialmente, seu plano era reduzir a tributação do faturamento corporativo de 34% para 21,5%, mas não conseguiria compensação. Por isso, aceitou na negociação a queda de 8 pontos, para 26%.

Entretanto, reiterou que se a arrecadação ficar acima do previsto e registrar superávit, os ganhos serão passados em novas redução de carga tributária.

A respeito da pessoa física, o parlamentar indicou que a 32 milhões de contribuintes irão se beneficiar da correção da tabela do IR, acrescentando que o governo não vai mexer nas alíquotas. O motivo, de acordo com ele, é de que se se houver inflação à frente, as pessoas pagariam imposto inflacionário. 

"Queremos que todos saibam que inflação é perda para todos", comentou.

Em relação as estatais, o ministro pretende continuar privatizando-as até o fim do mandato, pois, em sua visão, o desinvestimento é o caminho para reduzir a relação dívida/PIB. 

"Vamos vender os Correios, vamos vender a Eletrobras este ano, imóveis", disse.

Relacionadas