Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Brasília

Guedes avalia Esteves Colnago para secretaria

BERNARDO CARAM / Folhapressem 22 de outubro de 2021 10:19
  • Guedes avalia indicar seu assessor especial Esteves Colnago para ocupar a vaga de secretário especial do Tesouro e Orçamento;
  • Colnago é o atual chefe da assessoria especial de relações institucionais da pasta;
  • O chefe da assessoria é servidor de carreira do Banco Central e ex-ministro do Planejamento do governo Michel Temer.

Após debandada de subordinados, o ministro Paulo Guedes (Economia) avalia indicar seu assessor especial Esteves Colnago para ocupar a vaga de secretário especial do Tesouro e Orçamento, no lugar de Bruno Funchal, que pediu demissão.

Colnago é o atual chefe da assessoria especial de relações institucionais da pasta. Ele é servidor de carreira do Banco Central e ex-ministro do Planejamento do governo Michel Temer.

Eventual escolha Colnago tem respaldo de outros secretários da pasta. Auxiliares de Guedes defendem que o nome seja o indicado pelo ministro e que ele tenha autonomia para escolher o secretário do Tesouro.

Na noite desta quinta-feira (21), houve uma debandada na equipe de Guedes, depois da oficialização de uma manobra para driblar a regra constitucional do teto de gastos. Quatro secretários da equipe econômica pediram demissão por discordarem das decisões.

O maior representante da área que controla o Orçamento do governo, abaixo de Guedes, é o secretário especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal. Ele e o secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt --subordinado a Funchal--, pediram exoneração dos cargos.

O Ministério da Economia afirmou que também deixarão os cargos a secretária especial adjunta do Tesouro e Orçamento, Gildenora Dantas, e o secretário-adjunto do Tesouro Nacional, Rafael Araujo.

A debandada ocorreu após semanas de escalada da pressão do Palácio do Planalto sobre a equipe econômica por mais recursos, e horas após a formalização de uma proposta do governo para driblar o teto de gastos, regra que limita o crescimento das despesas públicas federais.

A medida abre margem de ao menos R$ 83 bilhões no Orçamento em ano eleitoral, inclusive para turbinar emendas parlamentares, recursos direcionados pelos deputados e senadores para bases eleitorais.

Segundo a pasta, as solicitações de exoneração foram feitas de modo a permitir que haja um processo de transição e de continuidade. Eles continuarão no cargo até a nomeação dos substitutos, cujos nomes não foram divulgados.

Relacionadas