Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.

Brasília

Câmara aprova texto que altera ICMS sobre combustíveis

Redação BP Moneyem 13 de outubro de 2021 21:22
  • O texto prevê que a alíquota relativa aos combustíveis passe a ter um valor fixo  “que não esteja sujeito a flutuações constantes, como ocorre atualmente”;
  • A matéria prevê ainda que as notas fiscais emitidas na venda do combustível deverão informar o valor dos tributos federais, estaduais e municipais;
  • A matéria visa uma redução no valor do combustível sendo de 8% para a gasolina comum, 7% para o etanol hidratado e 3,7% para o diesel.

A Câmara dos Deputados aprovou o texto-base do projeto de lei que visa alterar a forma de cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre os combustíveis. A proposta prevê que a alíquota relativa ao óleo diesel, ao etanol hidratado e à gasolina passe a ter um valor fixo  “que não esteja sujeito a flutuações constantes, como ocorre atualmente”.

O texto foi aprovado por 392 votos favoráveis a 71 contrários, ainda serão feitas as análises sobre cinco destaques antes do material ser enviado para apreciação do Senado Federal.

O projeto prevê que o preço do imposto será apurado a partir de valores fixos definidos na lei estadual e que, para o cálculo da cobrança do tributo, será levado em consideração o valor médio do litro nos dois anos anteriores. Ainda de acordo com a matéria, as alíquotas “serão fixadas anualmente e vigorarão por um ano a partir da data de sua publicação”. A matéria prevê ainda que as notas fiscais emitidas durante a venda do combustível ao consumidor deverão informar o valor dos tributos federais, estaduais e municipais, cuja incidência influiu na formação dos preços.

A matéria visa uma redução no valor do combustível sendo de 8% para a gasolina comum, 7% para o etanol hidratado e 3,7% para o diesel. O projeto vem sendo muito criticado pela oposição na qual alega que a proposta se trata de uma “cortina de fumaça“ para esconder o real problema do aumento no preço, a inflação.
 

Relacionadas