Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Brasília

Auxílio Brasil: programa mexe no bolso e na bolsa

Mariana Puonzoem 20 de outubro de 2021 9:00
  • O detalhamento do novo programa social deveria ter sido divulgado na véspera, entretanto, o Ministério da Cidadania adiou o anúncio;
  • O cancelamento em todo mal não foi negativo, ajudou ao menos o Ibovespa a reduzir levemente as perdas;
  • A percepção de risco fiscal do mercado está abalada em virtude do substituto do Bolsa Família;
  • A grande questão é: o novo programa social deve oferecer R$ 400 aos beneficiários do Bolsa Família, valor 111% acima do custo médio atual.

Não é exagero dizer que toda atenção do mercado estava voltada aos ruídos internos em Brasília ontem (19), e tudo indica que a situação se repita nesta quarta-feira (20). O suco político teve um gosto amargo para boa parte dos investidores: o Ibovespa, principal benchmark brasileiro, fechou a última terça em forte queda de 3,28% aos 110.672 pontos em meio às discussões sobre o Auxílio Brasil. 

O detalhamento do novo programa social deveria ter sido divulgado na véspera, entretanto, o Ministério da Cidadania adiou o anúncio de última hora. O cancelamento em todo mal não foi negativo, ajudou ao menos o Ibovespa a reduzir levemente as perdas - o índice chegou a sair da casa dos 110 mil pontos durante o pregão.

Mesmo assim, o resultado marcou a maior variação negativa para um fechamento desde o início de setembro.

Nem mesmo a notícia dada pelo senador Angelo Coronel (PSD-BA), relator da reforma do IR, que garantiu retirar a tributação de lucros e dividendos acumulados do texto, pareceu aliviar a tensão no meio econômico.

Mas então, qual o motivo de tanto temor com o Auxílio Brasil?

A percepção de risco fiscal do mercado está abalada em virtude do substituto do Bolsa Família. 

A 13 dias do fim do auxílio emergencial, o governo Bolsonaro pretende anunciar o sucessor do benefício planejado para 2022, ano que o mandatário será candidato a reeleição.

A grande questão é: o novo programa social deve oferecer R$ 400 aos beneficiários do Bolsa Família, valor 111% acima do custo médio atual, de R$ 189. 

O Ministério da Economia havia previsto alta mais contida, de 58%, chegando a R$ 300. 

Apenas R$ 100 de diferença pode parecer pouco quando visto de primeira, porém o aumento obrigará o governo a tirar R$ 25 bilhões do programa fora do teto de gastos no próximo ano, segundo contas da equipe econômica as quais a VEJA teve acesso.

Agora, a projeção é que o gasto total com o Auxílio Brasil fique entre R$ 80 bilhões e R$ 84 bilhões em 2022. Em contrapartida, o Bolsa Família este ano custou R$ 34 bilhões aos cofres públicos.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, já havia se mostrado contra a ideia de impulsionar o programa social com gastos extraordinários, defendendo que havia possibilidade de fazer o benefício alcançar R$ 300 dentro do espaço fiscal criado pela PEC dos Precatórios.

Todavia, a ala política do governo defendeu um valor maior no ano que vem, portanto para pagá-lo, além dos precatórios, seria necessária uma solução extrateto.

A decisão deveria ter passado pelo crivo da votação da PEC dos precatórios, na comissão especial da Câmara, que também estava agendada para ontem. A reunião, marcada para hoje, deve revelar se a manobra segue ou não.

O que provavelmente será definido?

O clima de preocupação presente no mercado desde ontem parece ter sido o estopim para Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara dos Deputados.

O parlamentar disse a ministros que o teto não será rompido, indicando um recuo que surpreendeu o Ministério da Economia, de acordo com fontes ouvidas pelo TC.

A mesma fonte relatou que o Auxílio Brasil será redesenhado para caber no Orçamento.

Relacionadas