Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Empresas

Presidente da Apple assina acordo de US$ 275 bi com China

Redação BP Moneyem 7 de dezembro de 2021 15:00
  • O acordo visa solucionar ameaças que teriam prejudicado a empresa no país;
  • O acordo de 5 anos foi feito quando o executivo visitou a China em 2016;
  • As autoridades chinesas acreditavam que a gigante da tecnologia não estava contribuindo o suficiente para a economia local;
  • O país asiático é consolidado como um dos maiores mercados da companhia.

Segundo informações divulgadas pelo The Information nesta terça-feira (7), o presidente-executivo da Apple (AAPL), Tim Cook, assinou um acordo com autoridades da China estimado em cerca de US$ 275 bilhões, visando solucionar ameaças que teriam prejudicado a empresa no país.

A agência britânica Reuters tentou entrar em contato com a Apple, mas a companhia não respondeu o pedido de comentário.

A reportagem revela que o acordo de cinco anos foi feito quando o executivo visitou a China em 2016 para encerrar uma série de ações regulatórias contra a empresa.

A questão é que as autoridades chinesas acreditavam que a gigante da tecnologia não estava contribuindo o suficiente para a economia local, por isso Cook assinou o acordo com uma agência governamental chinesa, fazendo concessões a Pequim e obtendo importantes isenções legais.

O acordo, conforme publicado pelo Information, garantia que parte do investimento da Apple na China iria para a construção de novas lojas de varejo, centros de pesquisa e desenvolvimento e projetos de energia renovável.

Com expansão anual de vendas de 83% no quarto trimestre fiscal, o país asiático é consolidado como um dos maiores mercados da companhia.

Ainda de acordo com o documento, a Apple prometeu usar mais componentes de fornecedores chineses em seus dispositivos, assinar acordos com empresas de software chinesas, colaborar em tecnologia com universidades do país e investir diretamente em empresas chinesas de tecnologia.
 

Relacionadas