Logo BP Money
Criptomoedas: 51% dos latino-americanos já utilizaram ativos digitais, aponta pesquisa da Mastercard
AliExpress anuncia ampliação no número de voos para o Brasil
Negócios

LinkedIn terá página para quem busca concursos públicos

Parceria com Qconcursos deve disponibilizar cerca de 20 mil vagas

por Redação BP Money

21 de maio de 2022 14:00Atualizado em: 31 de maio de 2022 11:26
LinkedIn terá página para quem busca concursos públicos

O LinkedIn, em parceria com a Qconcursos, empresa brasileira líder no segmento, passará a anunciar vagas de concursos públicos no Brasil. Segundo a "Exame", os interessados na carreira pública terão a sua disposição uma página exclusiva na rede social.

A parceria com o LinkedIn é recente, mas a Qconcursos informa que já são mais de 2 mil oportunidades de emprego listadas na rede, somando mais de 22 mil vagas de emprego no total.

"Trabalhar com o setor público era uma vontade do LinkedIn. Então, em menos de um mês, sentamos com eles e conseguimos desenhar um projeto juntos", explica Caio Moretti, CEO da Qconcursos, ao site da revista.

LinkedIn terá que pagar US$ 1,8 mi a funcionárias que recebiam menos que homens

O LinkedIn entrou em um acordo com o Departamento do Trabalho dos Estados Unidos e irá pagar US$ 1,8 milhão (R$ 8,9 milhões) para suas funcionárias que receberam menos do que colegas homens entre 2015 e 2017. Essa não é a primeira vez que a rede social se envolve em polêmicas como esssa.

O departamento confirmou a informação em comunicado divulgado nesta quarta-feira (4). O órgão afirma que o LinkedIn negou pagamento igual a 686 mulheres no escritório localizado em São Francisco e também em sua sede, na cidade de Sunnyvale, na Califórnia.

No acordo de conciliação, o órgão afirma que constatou que as mulheres eram remuneradas "a uma taxa estatisticamente menor" do que seus colegas do sexo masculino. Segundo o jornal The New York Times, as funcionárias faziam parte dos setores de engenharia, marketing e produtos. 

O LinkedIn emitiu um comunicado, também nesta quarta (4), negando que tenha discriminado certos funcionários. "Embora tenhamos concordado em resolver este assunto, não concordamos com a reivindicação do governo".