Logo BP Money
China: exportações crescem acima do esperado em julho
Golpes bancários disparam e devem gerar prejuízos bilionários em 2022
Negócios

Empresa americana compra 70% de clube brasileiro por R$ 700 mi

Esta é a maior operação da história do futebol brasileiro

por Redação BP Money

21 de fevereiro de 2022 14:19Atualizado em: 1 de junho de 2022 10:12
Empresa americana compra 70% de clube brasileiro por R$ 700 mi
Pixabay

O Vasco anunciou nesta segunda-feira (21) a maior operação da história do futebol brasileiro, na qual vendeu 70% do controle do clube para o fundo norte-americano 777 Partners, em uma transação de R$ 700 milhões.

O clube carioca tinha uma dívida acumulada em cerca de R$ 700 milhões. O time, que encontrava-se estagnado sem possibilidade de montar grandes equipes ou crescer como clube social, agora é um patrimônio da 777 Partners, com sede em Miami, e passou a ser avaliado em R$ 1 bilhão. 

Rubens Menin: como bilionário brasileiro perdeu metade da fortuna em um ano?

Os termos do negócio preveem um valor maior de investimento, incluindo pagamento de dívida, garantia de dinheiro para o futebol e possivelmente reforma do estádio. O negócio será anunciado nesta segunda-feira, mas a concretização do pacto depende de aval do Conselho Deliberativo e Assembléia Geral do Vasco.

A empresa norte-americana de investimentos privados tem participação em várias áreas de atuação, da aviação à mídia e entretenimento. No cenário esportivo, a companhia é sócia minoritária do Sevilla (ESP) e controla 99% do Genoa (ITA) desde outubro; agora chegou a vez do Vasco.

A estrutura do negócio é semelhante à adotada por Botafogo e Cruzeiro nas vendas para John Textor e Ronaldo. O Vasco constituirá uma empresa e transferirá para ela ativos e direitos relativos ao futebol. Essa empresa, por sua vez, terá seu controle vendido para a 777 Partners, que passará a ser responsável por administrá-la. Valores e condições são diferentes dos casos de Botafogo e Cruzeiro.

Para o acordo ser fechado, é necessária a aprovação dos sócios e conselheiros. Caso o aval seja negado, os R$ 70 milhões serão considerados mero empréstimo, que terão de ser devolvidos, com juros.