Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir
Logo BP Money
Drake perde mais de R$ 1 milhão após apostar em piloto da Ferrari na Fórmula 1
Paola Carosella: restaurante de chef é atacado nas redes após polêmica
Infleet: logtech baiana capta R$ 2,6 milhões com DOMO e Bossanova liderando
Negócios

Eletrobras e Correios estão na mira da privatização, aponta Guedes

Ministro da Energia afirmou em dezembro que privatização da Eletrobras deve acontecer no segundo trimestre deste ano 

por Redação BP Money

28 de janeiro de 2022 18:09
Eletrobras e Correios estão na mira da privatização, aponta Guedes

O ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciou quais as próximas estatais que devem ser privatizadas, na lista são possíveis ver nomes de companhias como Eletrobras e Correios.  

Nesta sexta-feira (28), Guedes previu que o Senado deve retomar a agenda e aprovar a privatização dos Correios. O ministro disse ainda que "os Correios e a Eletrobras estão na pista para a privatização". 

No fim de 2021, mais precisamente em dezembro, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, confirmou que a privatização da Eletrobras deveria acontecer no segundo trimestre de 2022. Ele aproveitou a ocasião para minimizar o atraso da avaliação da capitalização da empresa pelo Tribunal de Contas da União (TCU). 

Já para os Correios o cenário é outro, isso porque a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) ainda se prepara para retomar os debates sobre privatização. Em novembro do ano passado, a CAE adiou a deliberação do relatório do PL 591/2021, tendo em vista que o relator, senador Marcio Bittar (PSL-AC), apresentou complementação de voto ao projeto do Executivo. 

O ministro da Economia também espera que, na volta dos trabalhos, os senadores consigam reavaliar a criação de programas sociais, tais como o BIP e o BIQ, ainda em 2022. Vale ressaltar que a matéria já foi aprovada pela Câmara dos Deputados. 

Guedes argumentou também sobre a abertura do processo de acesso do Brasil à Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), dizendo que a entidade reconhece que o País está no caminho certo. "Certamente seremos o primeiro país a satisfazer os requisitos", completou.