Logo BP Money
Criptomoedas: 51% dos latino-americanos já utilizaram ativos digitais, aponta pesquisa da Mastercard
AliExpress anuncia ampliação no número de voos para o Brasil
Negócios

Corretoras de criptomoedas congelam saques em meio à queda de ativos

Exchanges estão suspendendo ou limitando os saques devido a alta liquidez do mercado

por Redação BP Money

21 de junho de 2022 15:04Atualizado em: 21 de junho de 2022 15:10
Corretoras de criptomoedas congelam saques em meio à queda de ativos

Uma série de plataformas de criptomoedas suspendeu os saques de criptoativos devido à queda do mercado. No último fim de semana, o Bitcoin (BTC), principal criptomoeda em volume negociado, chegou a valer US$ 17.600, a menor cotação desde dezembro de 2017, causando aumento no volume de solicitações de resgate nessas plataformas. 

Nos últimos dias, três empresas de Hong Kong anunciaram as medidas de suspensão devido ao alto número de solicitações de resgates por parte dos clientes. A Finblox, uma exchange que tem como investidor a Three Arrows Capital (3AC), já tinha dito, na sexta-feira (17), que limitaria os saques diários a US$ 500 e um limite de US$ 1.500 para saques mensais. 

Leia também: Demissões em massa e fuga de investidores: “inverno cripto" pode estar longe do fim, apontam especialistas

Além disso, a Finblox também afirmou que não iria permitir a criação de novos endereços a novos clientes e que suspenderia a distribuição de recompensas a todos os usuários. Na segunda-feira (20), a Finblox afirmou estar considerando entrar com um recurso legal para lidar com a situação. 

“Em última análise, a Finblox fará tudo o que estiver ao seu alcance para proteger os fundos de nossos usuários e restabelecer nossos serviços integralmente. Forneceremos atualizações e informaremos sobre quaisquer novos desenvolvimentos o mais rápido possível, e faremos tudo o que pudermos para evitar um impacto maior em nossos usuários”, afirmou.

Outras plataformas anunciam suspensões nos saques de criptomoedas

A Finblox foi a terceira plataforma a realizar este movimento. No domingo, a corretora Hoo, também com sede em Hong Kong, travou os saques de Bitcoin e outros tokens. A empresa atribuiu a medida ao aumento nas solicitações de retirada, tornando sua carteira incapaz de atender a todos os clientes. 

Leia também: Bitcoin (BTC): em meio à crise, investidor compra cerca de R$ 880 mi em criptomoeda

“A plataforma está tentando reconfigurar os ativos de médio e longo prazo de forma ordenada e razoável. Por favor, não se preocupe e não haverá perda de seus bens”, assegurou a empresa em nota. “Por favor, seja paciente, confie em nossa equipe e não espalhe boatos ou crie pânico”, pediu a Hoo. 

Na última sexta-feira, a Babel Finance, outra plataforma com sede em Hong Kong, bloqueou o saque de todos os clientes da plataforma pelo mesmo motivo das anteriores. Em nota, a empresa afirmou que o bloqueio temporário foi necessário devido à situação dos ativos, que estão apresentando alta liquidez. 

Colapso do Bitcoin e Celsius Network

Todas estas empresas seguiram o mesmo caminho da Celsius Network, empresa de empréstimos de criptomoedas que travou os saques de todos os clientes já no domingo (12). Avaliada em US$ 3,5 bilhões, a suspensão dos saques na plataforma acendeu o alerta para todo o mercado.

A Celsius afirmou que “condições extremas de mercado” e a necessidade de “estabilizar a liquidez” foram os motivos para o bloqueio. 

Estas suspensões ocorrem em um momento de alta liquidez no mercado de criptoativos. Desde o início do ano, as criptomoedas têm sofrido baixas consecutivas em suas cotações, pressionadas pela atual situação da economia global e pelas altas na taxa de juros norte-americana. Às 15h (de Brasília), o Bitcoin estava cotado em US$ 21.194.