Logo BP Money
Criptomoedas: 51% dos latino-americanos já utilizaram ativos digitais, aponta pesquisa da Mastercard
AliExpress anuncia ampliação no número de voos para o Brasil
Negócios

Carrefour (CRFB3) sustenta lucro em R$ 421 milhões sob pressão inflacionária

O resultado do grupo se manteve praticamente estável na base anual, mas margens do varejo e aumento da inadimplência preocupam analistas

Beatriz Pacheco

por Beatriz Pacheco

6 de maio de 2022 10:00Atualizado em: 31 de maio de 2022 9:32
Carrefour (CRFB3) sustenta lucro em R$ 421 milhões sob pressão inflacionária

O Carrefour Brasil (CRFB3) reportou lucro líquido ajustado de R$ 421 milhões no primeiro trimestre deste ano, praticamente estável (alta de 0,2%) em relação ao resultado apurado no mesmo período do ano anterior. As vendas líquidas somaram R$ 18,846 bilhões entre janeiro e março, crescimento de 14,8% na base anual, impulsionado principalmente pelo faturamento na categoria alimentar em todos os segmentos.

Dona da rede de atacarejo Atacadão, o Ebitda ajustado da companhia, a geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, alcançou R$ 1,247 bilhão no período, alta de 13,3% contra o mesmo período de 2021. A margem passou de 6,7% para 6,6%.

O Atacadão é uma alavanca para os resultados apresentados pelo grupo Carrefour Brasil. A divisão apurou alta em vendas em mesmas lojas de 9,2% no primeiro trimestre, enquanto a bandeira Carrefour teve incremento de 7%. As vendas líquidas em lojas da rede de atacarejo da companhia também saltaram 18,8% no faturamento ante o mesmo período do ano passado, enquanto as lojas Carrefour avançaram 5,6%.

Analistas da XP destacaram o resultado do Atacadão, com crescimento de 0,3 p.p de margem Ebitda na base anual, enquanto a do grupo desceu 0,1 ponto percentual. A empresa atribui o bom resultado às compras estratégicas de estoque para proteção da margem bruta, enquanto ganhos de eficiência e alavancagem operacional compensaram parcialmente pressões inflacionárias e despesas pré-operacionais do plano de expansão.

"O segmento de varejo do Carrefour continua sendo um detrator em termos de rentabilidade, com uma margem Ebitda de 4,4% (+1,1 p.p), o menor nível desde o segundo trimestre de 2018", escreveu a equipe de analistas de varejo da XP no relatório ao mercado.

Na apresentação dos resultados, a empresa apontou vendas fortes no mês de abril, com ganho de tração no varejo e "fortes resultados vindos de iniciativas comerciais, incluindo a campanha de Aniversário do Atacadão". A companhia informou a investidores na manhã desta sexta-feira que o varejo apresentou crescimento de 20% no mês contra abril de 2021, com alta de volumes também.

 

Operação financeira cresce, e inadimplência sobe

No último período, o Banco Carrefour faturou R$ 12 bilhões, alta de 10% na base anual. A carteira de crédito da oepração cresceu 14,2%, mas veio acompanhada do aumento de inadimplência, que alcançou 17% para pagamentos atrasados em mais de 30 dias, alta de 6 pontos percentuais. Os atrasados acima de 90 dias o grupo representam 12% da carteira, um salto de 4 p.p. contra o mesmo período de 2021.

Sobre a alta dos índices de inadimplência ante as sucessivas revisões dos juros para o ano, David Murciano, diretor financeiro do grupo Carrefour Brasil (CRFB3), tentou tranquilizar os acionistas. O executivo apontou que os dados mais atualizados da operação indicam queda dos atrasos de mais de 30 dias, o que, para a gestão da companhia, reflete a tendência de o indicador voltar ao normal.