Logo BP Money
China: exportações crescem acima do esperado em julho
Golpes bancários disparam e devem gerar prejuízos bilionários em 2022
Negócios

Abilio Diniz está em negociações com Casino, afirma colunista

Segundo Lauro Jardim, do jornal "O Globo", o empresário estaria em conversas preliminares com o grupo francês

Beatriz Pacheco

por Beatriz Pacheco

1 de maio de 2022 12:24Atualizado em: 31 de maio de 2022 9:21
Abilio Diniz está em negociações com Casino, afirma colunista
Reprodução

O empresário Abilio Diniz, terceiro maior acionista mundial do Carrefour, está em negociações com o Casino, dono do Grupo Pão de Açúcar (PCAR3). Segundo o colunista Lauro Jardim, do jornal “O Globo”, há dois meses o investidor teria iniciado conversas com o grupo francês. As negociações ainda estariam em fase preliminar. Em 2013, após dois anos de disputas com o Casino sobre o direcionamento da gestão do GPA, o empresário brasileiro deixou o grupo.

Veja Também: Com venda para Marfrig, Abílio Diniz deixa BRF

Em 2011, Abilio e Casino passaram a brigar sobre uma possível fusão do Pão de Açúcar com o Carrefour, maior rival da companhia no mercado. As tratativas teriam sido iniciadas e estavam sendo conduzidas pelo investidor brasileiro sem a ciência de Jean Charles Naouri, chefe do grupo controlador do Pão de Açúcar. Os franceses interpretaram a atitude de Abilio como uma tentativa de burlar o acordo que deu ao grupo o controle da rede.

Entre os maiores varejistas hoje no País, o Pão de Açúcar começou como uma doceria fundada pelo pai de Abilio, o imigrante português Valentim dos Santos Diniz.  

À época da sua saída, Abilio afirmou: “não tenho nenhum arrependimento, nem de ter tentado negociar com o Carrefour". Sua ideia era promover uma fusão entre as duas empresas no Brasil, tendo o BNDES como financiador da operação e terceiro maior acionista da companhia resultante do negócio. O Casino entendeu que a manobra seria uma forma de Abilio garantir sua continuidade no comando da operação, que deveria passar ao grupo francês naquele momento.

Caso tenham de fato retomado um diálogo, o que pode redefinir o futuro do Grupo Pão de Açúcar no Brasil, as desavenças de mais de dez anos atrás parecem ter ficado de fato no passado. 

Prévias operacionais indicam queda de vendas em mesmas lojas

Na apresentação da prévia operacional do primeiro trimestre deste ano, o Grupo Pão de Açúcar declarou ter atingido receita bruta total consolidada de R$ 11,1 bilhões. O resultado considera as operações brasileiras e o Grupo Éxito, da Colômbia, além de ainda não excluir as operações do Extra Hiper, das quais a companhia vem se desfazendo desde o ano passado.

A operação do GPA no Brasil alcançou receita bruta de R$ 4,72 bilhões no último período. Considerando apenas o chamado Novo GPA Brasil, que exclui hipermercados e drogarias, o faturamento foi de R$ 4,19 bilhões. Os resultados para vendas mesmas lojas caiu 0,9% nas duas frentes de negócio entre janeiro e março.

Na quarta-feira (27), o Grupo Pão de Açúcar anunciou o pagamento de R$ 95.433.112,34 em juros sobre o capital próprio. Os dividendos correspondem ao valor bruto de R$ 0,35 por ação.