Logo BP Money
Prejuízo com o Pix? Bancos driblam novidade e têm resultados positivos
Apple (APPL34) e Kim Kardashian lançam nova coleção de fones
Mercado

XP corta projeção para Ibovespa a 120 mil pontos para final de 2022

Corretora projeta maior volatilidade nos mercados e riscos fiscais e políticos

por Redação BP Money

1 de julho de 2022 16:43Atualizado em: 1 de julho de 2022 16:48
XP corta projeção para Ibovespa a 120 mil pontos para final de 2022

A XP cortou sua projeção para o Ibovespa ao final de 2022 para 120 mil pontos, ante 130 mil que projetava anteriormente. Julho acabou de começar e o Ibovespa encerrou o primeiro semestre do ano no negativo. O principal índice acionário brasileiro recuou 5,99% nos seis primeiros meses de 2022.

Em seu relatório de perspectivas para o segundo semestre de 2022, a XP sobre ponderou a queda do Ibovespa em junho, pior mês para o índice desde março de 2020. “O Ibovespa sofreu junto com os mercados internacionais, caindo 11,5%, acentuado pela queda forte nas commodities”, afirmaram os analistas da casa.

Leia também: FIIs: CARE11 registra maior alta no primeiro semestre de 2022; confira destaques

“Além disso, o crescimento da preocupação com o fiscal aumentou a percepção de riscos em relação ao país. Mesmo com a forte queda no mês, o Brasil continua como uma das melhores bolsas quando comparamos com o resto do mundo”, apontaram os estrategistas Fernando Ferreira, Jennie Li e Rebecca Nossig, que assinam o relatório.

A XP analisou que as ações brasileiras tiveram bom desempenho no começo do ano, se beneficiando de uma “tríplice combinação de rotação global de crescimento para valor, forte exposição a commodities e bancos e múltiplos muito atrativos”.

“Isso levou a um grande fluxo de capital estrangeiro no início do ano, que se enfraqueceu no segundo trimestre em meio a preocupações com o crescimento econômico global e preços de commodities”, afirmaram no relatório.

Para o futuro, a XP espera maior volatilidade com riscos externos e domésticos, pelos mesmos motivos que provocaram queda nas ações neste primeiro semestre. “Lá fora, os mercados devem continuar preocupados com a inflação, os juros e riscos de recessão. Por aqui, riscos fiscais e políticos voltam ao radar à medida que as eleições se aproximam”, apontou.

Os analistas também veem o Ibovespa barato. “Continuamos vendo as ações brasileiras sendo negociadas em níveis atrativos de valuation, com um múltiplo de Preço/Lucro (P/L) projetado de 6,1 vezes, um desconto de 45% em relação à média dos últimos 15 anos em 11,2 vezes”.

Leia também: Preço/Lucro do Ibovespa está no seu menor valor desde 2015

Eles também avaliam que todos os setores no Brasil estão com seus múltiplos negociados abaixo ou próximos às médias de longo prazo.

Para este semestre, os analistas indicam atenção aos assuntos commodities, histórico de crescimento secular que pouco dependem do cenário macro e qualidade a um preço razoável.

Entre as ações do Ibovespa indicadas pelos analistas da XP para o segundo semestre do ano aparecem Alupar (ALUP4), Banco Pan (BPAN12), Espaço Laser (ESPA), Helbor (HBOR3), Movida (MOVI3), 3R Petroleum (RRRP3), Cury (CURY3), Desktop (DESK3), Unifique (FIQE3), Lavvi (LAVV3) e Livetech (LVTC3).