Logo BP Money
Criptomoedas: 51% dos latino-americanos já utilizaram ativos digitais, aponta pesquisa da Mastercard
AliExpress anuncia ampliação no número de voos para o Brasil
Mercado

Tesouro Direto: títulos prefixados registram queda nesta quarta-feira

Ao contrário dos prefixados, os títulos IPCA+ têm alta nesta quarta-feira (22)

por Alexandre Puga

22 de junho de 2022 15:56Atualizado em: 22 de junho de 2022 15:59
Tesouro Direto: títulos prefixados registram queda nesta quarta-feira

Os títulos prefixados negociados no Tesouro Direto caíram nesta quarta-feira (22) e entregam rentabilidade menor do que o registrado na terça-feira (21). Por outro lado, os títulos IPCA+ registraram desempenho positivo. 

Às 15h30 (de Brasília), o Tesouro Prefixado 2025 oferecia rentabilidade anual de 12,39%, com investimento mínimo de R$ 37,23. Na terça-feira, a taxa estava em 12,55%. O Tesouro Prefixado 2029 entrega retorno de 12,55%, abaixo dos 12,69% apresentados na terça-feira. Já o Prefixado 2033, com juros semestrais, oferece 12,70%, tendo baixa em relação aos 12,79% registrados anteriormente. 

Os Tesouros IPCA+ 2035 e 2045 apresentaram alta nesta quarta-feira. Os títulos registraram retorno de 5,76%, valor acima dos 5,73% registrados na terça-feira. O Tesouro IPCA+ 2055 também apresentou desempenho positivo nesta quarta-feira, gerando rentabilidade de 5,89%, ante 5,88%.

O desempenho dos títulos brasileiros são influenciados pelo cenário macroeconômico no exterior e no Brasil. Os investidores repercutem o discurso de Jerome Powell, presidente do Fed (Federal Reserve, o Banco Central norte-americano). 

Nesta quarta-feira, Powell afirmou que a alta da inflação ainda pode piorar, mas que o Fed está "fortemente" comprometido em levar os preços para baixo e continuará adaptando a política monetária conforme o cenário econômico vai se desenrolando. Ele ainda disse que a inflação está em uma trajetória de alta prolongada em decorrência da quebra das cadeias globais e da invasão russa na Ucrânia. 

No Brasil, agentes financeiros ainda repercutem a ata do Copom (Comitê de Política Monetária) divulgada na terça-feira (21). De acordo com o documento, a inflação brasileira deve manter o patamar elevado pelo menos até o final de 2022. Além disso, o Banco Central sinalizou que a taxa Selic não será diminuída neste ano, como forma de combater a inflação.

O cenário geopolítico global também acabou afetando o Tesouro Direto. Nesta quarta-feira, o presidente russo Vladimir Putin anunciou que os países do BRICS estão se preparando para criar uma moeda de reserva internacional.