Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Bolsa

Taxas do Tesouro Direto pisam no freio e reduzem alta

Cris Almeida | Investeem 23 de outubro de 2021 9:00
  • Entre uma interrupção e outra, os papéis retornavam com taxas cada vez maiores, até encerrarem em baixa;
  • A desaceleração aconteceu após o ministro da Economia, Paulo Guedes, reafirmar sua permanência à frente da pasta, contrariando o rumores;
  • Todos os seis papéis atrelados à inflação fecharam o dia em baixa.

O mercado de títulos públicos reduziu o ritmo após uma semana de altas históricas. A desaceleração aconteceu após o ministro da Economia, Paulo Guedes, reafirmar sua permanência à frente da pasta, contrário aos rumores desta sexta-feira (22). Mas como o 'fico' só foi anunciado no final da tarde, tarde demais para os papéis que passaram por grande volatilidade durante todo o dia, chegando a ter as negociações interrompidas três vezes pela Secretaria do Tesouro Nacional.

As especulações sobre a saída do ministro aconteceu logo após a debandada de parte da sua equipe na ultima quinta-feira (21). Em coletiva ao lado do presidente Jair Bolsonaro, Guedes negou que havia pedido demissão do cargo. Na oportunidade, anunciou o nome de Esteves Colnago para o cargo de secretário especial do Tesouro e Orçamento, em substituição a Bruno Funchal. Os investidores ainda amargavam a montanha-russa política, após as aprovações na comissão especial da Câmara dos Deputados, que decidiu adiantar o pagamento dos precatórios e alterar a regra de correção do teto de gastos.

Entre uma interrupção e outra, os papéis retornavam com taxas cada vez maiores, até encerrarem em baixa, comparado ao fechamento de quinta-feira (21) - exceto o Tesouro Prefixado com vencimento em 2024, o único que fechou o dia em alta de 0,13 ponto percentual, em 11,49%, ante os 11,36% de quinta.

Ainda entre os prefixados (com taxas de juros fixadas no momento da compra), o papel que mais cresceu na última semana foi o que mais apresentou queda hoje. Com vencimento em 2031, o ativo começou a semana com taxa de 11,08% ao ano e manteve a alta, chegando até os 12,10%. Por volta das 14h de hoje, período de estresse para o mercado, o ativo chegou a ser negociado acima dos 12,70%. Mas o valor registrado no seu fechamento, após a coletiva do ministro, foi de 11,99% de retorno ao ano.

Todos os seis papéis atrelados à inflação fecharam o dia em baixa. Os de longo prazo, com vencimentos em 2035 e 2045, fecharam o dia com taxa de 5,46% ao ano, um recuo de 0,16 ponto percentual. Quem menos caiu, entre os títulos do IPCA+, foram os papéis com vencimento em 2026, que fecharam o dia com taxa em 5,14%, ante os 5,25% da sessão desta quinta.

Vale lembrar que tanto nos papéis prefixados como naqueles indexados ao IPCA, quanto maior a taxa, menor o preço. Quando as taxas sobem, portanto, apesar de ser uma boa notícia para quem vai investir — já que assegura rentabilidade maior se mantiver a aplicação até o vencimento —, o valor de mercado dos papéis diminui, o que implica em perda temporária para quem possui os títulos na carteira.

Relacionadas