Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Bolsa

Resumo Semanal: Ibovespa registra pior semana de 2021 e acumula perdas de 7,28%

Mariana Puonzo e Leonardo Almeida em 22 de outubro de 2021 20:27
  • Ibovespa encerra a semana abaixo dos 107 mil pontos;
  • Incertezas fiscais e ruídos no Ministério da Economia, impactaram negativamente no Ibovespa alcançando seu pior resultado semanal no ano;
  • Dólar chegou a atingir a maior cotação desde abril na terça a R$ 5,594. A moeda encerrou a semana a R$ 5,627

Em semana marcada pelas incertezas fiscais por conta do reajuste de 20% no Auxílio Brasil, o principal índice da Bolsa de Valores do país acumulou forte desvalorização de 7,28% ao longo da semana. O mercado repercutiu negativamente a pretensão do governo em elevar o benefício a R$ 400, além disso houve ruídos dentro do Ministério da Economia, com a saída dos secretários do Tesouro, Bruno Funchal e Jefferson Bittencourt. O mercado internacional continuou sendo beneficiado pelos bons resultados corporativos trimestrais. O dólar acumulou alta de 2,66% ante ao real.

Segunda

Em dia de alta volatilidade, o Ibovespa encerrou o pregão da segunda-feira (18) em queda. Segundo especialistas, o índice tem vivido um "cabo de guerra", com os bons resultados trimestrais das companhias norte-americanas contra o cenário de incertezas econômicas no Brasil.

Em relatório Focus do Banco Central, as instituições financeiras aumentaram suas projeções para a inflação deste ano pela 28ª semana consecutiva. Os economistas estimam alta de 8,69% do IPCA ao final de 2021 e expansão de 5,01% do PIB este ano.

Nos Estados Unidos, os dados da produção industrial relativos ao mês de setembro vieram abaixo do esperado e pressionaram os índices negativamente.

O Ibovespa fechou em queda de 0,19% a 114.428 pontos, com volume de R$ 29,562 milhões. O dólar subiu 1,21% a R$ 5,520 na compra e R$ 5,521 na venda. 

Terça

O principal índice brasileiro despencou 3,28% na terça-feira (19). O mercado repercutiu negativamente a notícia da pretensão do governo em elevar o Auxílio Brasil, substituto do Bolsa Família, para R$ 400 em 2022. O Ibovespa foi na contramão do cenário internacional, que seguiu surfando nos bons números da temporada de resultados corporativos trimestrais.

Com a elevação do benefício do novo programa social, cerca de R$ 100 seriam contabilizados fora do teto de gastos. A notícia também gerou críticas dentro da equipe do Ministério da Economia, de Paulo Guedes.

Nos Estados Unidos o cenário continuava otimista. Das 41 empresas componentes do índice S&P 500 que informaram seus resultados relativos ao terceiro trimestre, 80% superaram as expectativas, segundo dados do FactSet.

O benchmark encerrou em forte queda de 3,28% a 110.672 pontos, com volume de R$ 36,163 bilhões. O dólar comercial fechou na maior cotação desde abril, com alta de 1,33% a R$ 5,593 na compra e R$ 5.594 na venda.

Quarta

Afastando-se do vermelho, o Ibovespa registrou leve alta e conseguiu respirar na quarta-feira (20).  

O ministro da Cidadania, João Roma, confirmou o reajuste de 20% no Auxílio Brasil e agora o benefício será de R$ 400. 

Nos Estados Unidos, o mercado ainda esperava por novas definições sobre o pacote de investimentos em infraestrutura, que deve ser reduzido de US$ 3 trilhões para US$ 2 trilhões no Congresso norte-americano.

O Ibovespa encerrou com leve alta de 0,10% a 110.786 pontos, com volume de R$ 30,7 bilhões. O dólar comercial fechou o dia em queda de 0,59% a R$ 5,560 na compra e R$ 5,561 na venda.

Quinta

O Ibovespa fechou em forte queda na quinta-feira (21), encerrando abaixo dos 108 mil pontos pela primeira vez no ano. O principal índice da B3 caiu em meio ao cenário de risco fiscal no país, principalmente após falas do presidente, Jair Bolsonaro, garantindo atender 750 mil caminhoneiros autônomos com o benefício de R$ 400.

Além disso, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o teto de gastos poderia ser ampliado com uma "licença fiscal" para poder financiar o Auxílio Brasil, impactando negativamente a bolsa.

Nos Estados Unidos, os últimos resultados corporativos trimestrais vieram medianos. Enquanto a Tesla, de Elon Musk, apresentou números recordes, a IBM obteve baixa de receitas.

Na Ásia, a Evergrande, gigante imobiliária chinesa, anunciou que não chegou a um acordo para vender 50,1% de sua participação no negócio de serviços para propriedades. A empresa afirmou que não há garantia de que será capaz de arcar com suas obrigações financeiras.

O índice encerrou em queda de 2,75% a 107.735 pontos, com volume de R$ 43,1 bilhões. O dólar comercial saltou 1,92% a R$ 5,667 na compra e R$ 5,668 na venda.

Sexta

O Ibovesva encerrou em queda de 1,34% no pregão de sexta-feira (22). O mercado repercutiu os pedidos de exoneração de quatro secretários do Ministério da Economia, entre eles Bruno Funchal e Jefferson Bittencourt. Além disso, houve a aprovação do parecer da PEC dos precatórios, preocupando os investidores em relação à política fiscal do país. 

O anúncio de Bolsonaro sobre o auxílio aos caminhoneiros também não agradou os investidores. Segundo fontes do Palácio do Planalto, o valor dos repasses atingiria os mesmos R$ 400  do Auxílio Brasil. Os recursos para esse auxílio devem ficar em R$ 4 bilhões.

Nos Estados Unidos, o presidente do Banco Central norte-americano (Fed), Jerome Powell, admitiu que a inflação no país deve durar mais do que o esperado. Powell completou dizendo que se esse cenário permanecer, o Fed está preparado para agir. As bosas de Wall Street operaram em baixa.

Na Europa, as bolsas fecharam em alta. O principal índice europeu, Stoxx 600, subiu 0,46%  por conta das notícias positivas sobre a incorporadora chinesa Evergrande.

Na Ásia, circula a informação de que a Evergrande deve pagar até sábado as dívidas que tinham vencido em setembro, uma informação que animou os mercados. As ações da empresa avançaram 4,26% em Hong Kong.

O benchmark encerrou em queda de 1,34% a 106.296 pontos. O dólar recuou 0,71% a R$ 5,627 na compra e na venda

 

Relacionadas