Logo BP Money
Prejuízo com o Pix? Bancos driblam novidade e têm resultados positivos
Apple (APPL34) e Kim Kardashian lançam nova coleção de fones
Mercado

Petrobras (PETR4): analistas se mostram otimistas com papeis - até certo ponto

Política de preços e ano eleitoral pode atrapalhar a estatal no longo prazo, segundo analistas consultados pelo BP Money

Juliano Passaro

por Juliano Passaro

7 de maio de 2022 6:00Atualizado em: 31 de maio de 2022 9:21
Petrobras (PETR4): analistas se mostram otimistas com papeis - até certo ponto
Petrobras/Divulgação

Depois de anunciar um lucro 3.718% maior do que o registrado no mesmo trimestre de 2021, no 1T22, e comunicar a aprovação da distribuição de R$ 48,5 bilhões em dividendos, a Petrobras (PETR3;PETR4) balançou o mercado financeiro. O lucro da estatal, alinhado aos proventos anunciados, fizeram investidores pensar se este é o momento para comprar ações ou vender (para quem já tem), aproveitando a tendência de alta. Por isso, o BP Money conversou com três analistas do mercado financeiro, a fim de saber as perspectivas para a empresa e as recomendações dos papéis para curto, médio e longo prazo.

Apesar de não discordarem sobre o momento da companhia, que é bastante favorável, os analistas consultados pelo BP Money divergiram sobre os papéis da empresa no médio e longo prazo. Para Fabio Louzada, analista de investimentos CNPI e CEO da “Eu me banco”, o curto prazo das ações da Petrobras tem boas expectativas, porque a petroleira ajustou, fortemente, os seus preços, em março, o que significa uma maior contribuição do aumento de preços no lucro do segundo trimestre em relação ao primeiro. Já para o médio e longo prazo, a história muda.

“Para o médio e longo prazo é importante ressaltar que em outubro teremos eleições e um dos temas mais debatidos será a política de preços da Petrobras. Esse lucro altíssimo contribui para aumentar a discussão em torno do tema, e gerar mais pressão para a Petrobras mudar essa política. Por isso, eu não sou otimista com a Petrobras no médio e longo prazo”, disse Louzada.

“Por isso, nesse momento, eu prefiro ficar de fora da ação da Petrobras. Se tivesse que escolher apenas entre comprar ou vender, eu venderia”, complementou.

Veja também: Petrobras (PETR34): revisão de portfólio traz fortes perspectivas para dividendos da companhia

O analista de research da Ativa Investimentos, Ilan Arbetman, tem uma visão diferente sobre a empresa, acreditando em seu potencial durante este ano inteiro. 

“Falando um pouquinho de petróleo, a gente crê que os preços vão continuar sustentavelmente altos. Vemos dificuldade por parte dos países membros da Opep em cumprir com suas metas e do lado da demanda a gente vê perenidade. Essa resiliência na demanda e a fraqueza na oferta tendem a fazer com que os preços do petróleo sigam fortes, e aí, pra quem tem vantagens comparativas como a Petrobras, isso é um prato cheio”, explicou IIan.

O analista afirma que a Ativa Investimentos tem recomendado compra para os papéis da Petrobras. “A gente vê o papel muito descontado perante aos pares, gerando caixa bem forte e distribuindo dividendos. Então gostamos do case no momento”, afirmou.

Sidney Lima, analista da Top Gain, citou uma possível volatilidade das ações, considerando que 2022 é um ano eleitoral, e o debate político ao redor da política de preços da Petrobras deve se intensificar nos próximos meses.

“Se existe uma certeza é que teremos muita volatilidade no meio do caminho, principalmente em ano eleitoral. A princípio acredito que o investidor deve avaliar o tempo proposto para esse investimento e se está disposto a passar por um momento de incertezas. Se considerarmos os indicadores fundamentalistas, estamos negociando a empresa em níveis de preço aceitável se comparado ao lucro proposto nos últimos resultados. Sendo assim, se a proposta for um investimento longo, e estiver disposto a variações devido à influência política, acho válido o investimento”, disse Lima.

O analista da Top Gain destacou que a Petrobras continua sendo uma boa oportunidade, se o foco do investidor é o pagamento de dividendos. Entretanto, ele afirma que não se limitaria a somente isso ao pensar neste investimento.

“O valor (do dividendo) é descontado do preço da ação. Contudo, ela continua sendo uma das melhores oportunidades para pagamento de dividendos, e creio ser difícil que ela perca esse posto esse ano”, afirmou.

Para o curto prazo, o analista vê a empresa seguindo o mesmo ritmo de gestão que tem sido imposto nos últimos meses, se beneficiado do contexto internacional. Já para o longo prazo, a ideia de investimento na estatal também pode ser considerada, segundo ele.

“Pra longo prazo, seria uma das melhores apostas de investimento existentes, considerando a dependência mundial ao produto que ela produz. Petrobras continuará sendo a mesma no longo prazo”, afirmou. 

Resultados da Petrobras aos olhos dos analistas e perspectivas para os próximos meses

Apesar do ótimo lucro reportado, os analistas, consultados pelo BP Money, destacaram alguns pontos importantes ao analisarem o balanço da companhia. A redução da dívida líquida em 31,4% frente o mesmo período do ano anterior deixou os investidores ainda mais animados com a empresa, segundo eles. Além disso, a maior participação do óleo oriundo do pré-sal também foi fundamental para que as margens da Petrobras fossem potencializadas, segundo os especialistas. 

“Ela potencializou seu mix de vendas com uma maior porcentagem do óleo vindo do pré-sal”, disse o analista Ilan Arbetman. 

Já para Fabio Louzada, existem diversos fatores para esse salto nos resultados da companhia. Ele destaca, em primeiro lugar, a alta do petróleo internacional.

“O Brasil precisa reajustar os preços acompanhando essa alta do petróleo - o que encarece o valor da commodity nacionalmente. Com esse reajuste de preço, e mantendo o custo de produção (vale lembrar que a mão de obra e custos de extração da Petrobras são em reais), a Petrobras consegue lucrar mais e ter uma alta geração de caixa”, explicou Louzada.

Esse resultado sólido da Petrobras se dá pela estratégia em focar na atividade core da empresa e continuação da política de desinvestimentos. Isso possibilitou que a empresa pagasse as suas dívidas, gerasse caixa e desse um ótimo retorno para os acionistas.

Complementando este pensamento, Ilan Arbetman fala sobre a importância da empresa manter os preços ajustados seguindo o mercado internacional.

“Para o investidor é ótimo que a Petrobras siga os preços de mercado, já que o objetivo de todo e qualquer investidor é que a empresa continue reportando lucro. Caso se mantenha fiel a proposta, com certeza teremos uma continuidade dos resultados satisfatórios da empresa, seja pelo volume de vendas ou pelo preço da commodity”, disse o analista.