Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Bolsa

Mudança da Minerva aos EUA pode alavancar ações, diz analistas

Redação BP Moneyem 14 de janeiro de 2022 16:32

    Os analistas das principais casas de análise do país destacaram que uma suposta mudança na listagem das ações da Minerva (BEEF3) para o mercado dos Estados Unidos poderia levar a uma reclassificação dos papéis. A companhia anunciou na última quinta-feira (13) que seu Conselho de Administração autorizou a diretoria a iniciar estudos para uma eventual migração de sua base acionária ao exterior, listando suas ações em outro país.

    A Minerva está inclinada a mudar sua listagem da bolsa de valores local B3 para a norte-americana Nasdaq, de acordo com uma fonte da Agência Reuters. “Estamos olhando várias bolsas. A Nasdaq é uma delas e parece fazer mais sentido”, disse a fonte, na condição de anonimato.

    A companhia de proteína animal segue a tendência de várias outras empresas brasileiras que estão estudando a possibilidade de migração para o exterior. Um exemplo recente é o Banco Inter, que chegou a aprovar sua reorganização societária para a listagem da Bolsa de Nova York (NYSE), mas teve seus planos frustrados após cash-out superior a R$ 2 bilhões. https://www.bpmoney.com.br/noticias/mercado/por-que-empresas-estao-migrando-da-b3-para-a-bolsa-de-ny 

    Reavaliação das Casas de Análise

    O Santander vê uma possível listagem da Minerva no exterior como positiva. O banco diz que a listagem em um mercado estrangeiro como os EUA, onde os frigoríficos negociam com avaliações mais altas, poderia permitir que a Minerva negociasse em um múltiplo mais alto do que sua média histórica.

    Além disso, o banco observa que cerca de 85% das receitas do Minerva no terceiro trimestre de 2021 vieram de mercados estrangeiros e 55% da base acionária do Minerva está fora do Brasil, apoiando uma listagem no exterior.

    Assim, o Santander reitera recomendação de compra para Minerva, com preço-alvo de R$ 16 por ativo, um potencial de alta de 58,4% em relação ao fechamento desta quinta.

    O Morgan Stanley também enxerga a mudança para o exterior como positiva, mas ressalta que ainda é preciso ter mais detalhes sobre como seria a operação e a nova estrutura “antes de tirar conclusões precipitadas”.

    O banco tem recomendação de compra para as ações da Minerva e estipula preço-alvo de R$ 16,50, um potencial de alta de 63%.

    A Levante Investimentos destaca que a migração ao mercado acionário americano poderia levar a Minerva a ter uma precificação mais precisa. Isso faria sentido para a companhia num cenário em que ela depende pouco do ambiente macro brasileiro.

    A BP Money apenas reproduz análises com intenção de levar matérias de cunho jornalístico para democratizar o direito a informação. Nossas publicações devem ser compreendidas como boletins anunciadores e divulgadores, e não como uma recomendação de investimento.

    Relacionadas