Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Bolsa

Itaú volta a ser o banco mais valioso da América Latina

Redação BP Moneyem 15 de janeiro de 2022 9:11

    O Itaú voltou a ser o banco mais valioso da América Latina após as ações do Nubank despencarem 17,9% no início deste ano na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE). A fintech vem sofrendo com os efeitos de um possível aperto monetário mais agressivo nos Estados Unidos, o que vem pressionando as novas empresas de tecnologia no geral.

    Os papéis do Nubank recuaram 6,34%, a US$ 8,12, apenas na sessão desta sexta-feira (14). Com isso, o valor de mercado da roxinha caiu para US$ 37,4 bilhões, ante aos US$ 42 bilhões registrados pela empresa em dezembro. Com a queda das ações do Nubank, o Itaú retomou a posição de banco mais valioso da América Latina, com valor de mercado de US$ 39,5 bilhões.

    Os ADRs do banco (recibos de ações negociados na Bolsa de Valores dos EUA), também negociados na NYSE, acumulam alta de 12,43% em 2022, indo no caminho oposto de sua concorrente digital.

    O Bradesco, que também ocupa os primeiros lugares do ranking, subiu 10,2% e agora vale US$ 32,9 bilhões.

    Por que as Techs estão caindo?

    E não é só o Nubank que sofre com a promessa do Federal Reserve. Entre outras fintechs listadas nos Estados Unidos, a corretora digital Robinhood cai 15%, a Toast perde 25% e a Affirm recua 31%. O próprio Nasdaq, índice que concentra as empresas de tecnologia, tem perdas de 5% este ano.

    Um dos motivos por trás das quedas é que o aperto monetário a ser promovido pelo banco central norte-americano para conter a inflação encarece o custo para a tomada de capital. Vale lembrar que as empresas de tecnologia estão entre as que mais precisam de recursos para financiar suas operações.

    Atualmente entre 0% e 0,25% ao ano, a taxa de juros dos EUA pode subir a 2% ou 2,5%, segundo os analistas. Além de elevar os custos para as empresas, o percentual mais alto também aumenta a atratividade dos títulos públicos e pode provocar uma fuga dos investidores da bolsa para a renda fixa.
     

    Relacionadas