Logo BP Money
Estudo Vanguard mostra importância do assessor na visão do investidor
Receita da Shopee no Brasil avança mais de 270% em um ano
Mercado

Ibovespa futuro recua e amarga sentimento negativo da Europa

Declarações da OCDE sobre economia mundial mexem com projeções do mercado

por Redação BP Money

8 de junho de 2022 9:23Atualizado em: 8 de junho de 2022 10:35
Ibovespa futuro recua e amarga sentimento negativo da Europa
Amanda Perobelli/Reuters

O Ibovespa futuro opera em queda nesta quarta-feira (8). Por volta das 9h20 (de Brasília), o índice recuava 0,56% a 109.600 mil pontos, puxado pela desaceleração econômica na Europa após declarações da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico)

A organização mundial confirmou a expectativa pessimista da economia global em seus anúncios realizados nesta quarta (8), o que influenciou negativamente as projeções do Ibovespa futuro.

De acordo com a instituição, a projeção do PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil caiu de 1,4% para 0,6% ainda neste ano, e de 2,1% para 1,2% em 2023.

Além disso, as previsões para o índice na escala mundial em 2022 também registraram queda, saindo de 4,5% para 3,0%.

Com isso, o sentimento negativo do mercado europeu se intensifica nas vésperas de um possível novo aperto monetário divulgado pelo BCE (Banco Central Europeu) ainda nesta semana.

Enquanto isso, nos EUA, os mercados futuros também operam em baixa, porém aguardam as novas declarações da secretária do Tesouro do país, Janet Yellen, que pretende divulgar a balança comercial deste ano.

Ademais, os acionistas observam também os desdobramentos da Cúpula das Américas, que acontece dias antes da decisão do FED (Federal Reserve, banco central norte-americano) sobre a taxa básica de juros na região.

Por sua vez, os contratos de petróleo operam em alta nesta quarta (8), acima de US$ 120 por barril.

Em meio a indefinições na Petrobras (PETR4) e a constantes combates do governo federal contra o preço praticado dos combustíveis, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD), se reúne com os governadores do País para dar novos rumos ao projeto de limitação do teto do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) em 17%.

Seguindo a agenda que fica no radar dos investidores, o ministro da Economia, Paulo Guedes, apresentará ao Senado a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) para o próximo ano. 

Na Europa, além do impacto negativo das reuniões da OCDE, os dados industriais da região também não empolgaram os acionistas.

A produção industrial da Alemanha cresceu menos do que o aguardado pelos especialistas no mês de abril, dando sequência a resultados negativos no país.

Em contrapartida, o PIB da zona do euro superou a projeção do mercado (de 0,3%) e registrou alta de 0,6% nos seis primeiros meses deste ano.

Já na Ásia, as ações de tecnologia foram responsáveis por um fechamento positivo no último pregão.

Após a flexibilização de diversas medidas restritivas na região provocadas pela pandemia de Covid-19, o governo de Pequim confirmou que nenhum caso da doença foi identificado fora das áreas de quarentena nos últimos quatro dias.

De volta ao cenário doméstico, os acionistas também observam outras investidas sobre os preços dos combustíveis, como o último PL (Projeto de Lei) de Reginaldo Lopes, líder do PT (Partido dos Trabalhadores).

O projeto, que prevê regras de transparência na composição dos preços estipulados pela Petrobras, foi aprovado pela Câmara.

Já no ambiente corporativo, as projeções do Ibovespa futuro acompanham também os novos capítulos da fusão entre BrMalls (BRML3) e da Aliansce Sonae (ALSO3), que deve acontecer já nesta quarta (8).