Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Bolsa

Ibovespa encerra em alta de 1,14% e se afasta do exterior

Redação BP Moneyem 13 de outubro de 2021 19:14
  • Segundo especialistas, a bolsa pode estar em um movimento de recuperação em função de preços;
  • O Fed indicou que poderá iniciar a redução gradual das compras de ativos ainda este ano, desaceleração no ritmo de compras já era esperada para acontecer até o final de 2021;
  • A inflação norte-americana subiu 0,4% no mês passado. O indicador veio acima da estimativa dos economistas, que projetavam crescimento de 0,3%.

O principal índice da Bolsa de Valores encerrou o pregão desta quarta-feira (13) com salto de 1,14%. O dia foi marcado pelo vencimento de contratos futuros do Ibovespa, os quais subiram 1,58%. O beachmark mais importante da B3 chegou a superar os 114 mil pontos na máxima do dia, mas não conseguiu manter o patamar. Porém, mesmo assim, o índice registrou melhores resultados que as bolsas internacionais.

De acordo com economistas, a bolsa pode estar em um movimento de recuperação em função de preços. Durante o dia o índice sofreu fortes oscilações por conta do vencimento de opções sobre o Ibovespa e, segundo especialistas, o movimento traz um volume maior de negócios para a bolsa, pois as gestoras comprando e vendendo mais para deixar o Ibovespa próximo da posição desejada.

O destaque do pregão foi para o setor de educação, com a redução dos casos de Covid-19 e a especulação maior de um possível retorno das aulas presenciais. A 9º maior maior companhia do segmento do mundo, a Cogna, registrou um salto de 6,42% no encerramento desta quarta.

Nos Estados Unidos, O Federal Reserve (Fed, o banco central) indicou que poderá iniciar a redução gradual das compras de ativos ainda este ano, de acordo com a ata da última reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto  divulgada nesta quarta. A desaceleração no ritmo de compras, chamada de tapering, já era esperada para acontecer até o final de 2021 e deve terminar em meados de 2022.

O Departamento do Trabalho norte-americano informou que a inflação ao consumidor subiu 0,4% no mês passado. O indicador veio acima da estimativa dos economistas, que projetavam crescimento de 0,3%. No acumulado do ano, os preços subiram 5,4%, ante estimativa de alta de 5,3%.

A Câmara dos EUA aprovou a elevação do teto de gastos públicos até dezembro. Agora, a decisão agora deve ser sancionada pelo presidente Joe Biden. Caso a medida não seja adotada, os EUA correm o risco de dar o seu primeiro calote na história.

O JPMorgan apresentou lucro líquido de US$ 11,7 bilhões durante o terceiro trimestre, um aumento de 24% em relação ao ganho de US$ 9,4 bilhões no mesmo período de 2020. Ainda nesta semana, Goldman Sachs, Bank of America, Morgan Stanley, Wells Fargo e Citigroup divulgarão seus resultados.

A balança comercial da China registrou um superávit de US$ 66,76 bilhões em setembro, apesar dos recentes problemas que colocaram em questão o ritmo de retomada da atividade econômica. A recuperação da balança registrou salto de 28,1% nas exportações ante ao mesmo período do ano passado.

Em relatório mensal divulgado, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) reduziu sua previsão de alta na demanda global em 2021, para 5,82 milhões de barris por dia, ante a expectativa anterior de 5,96 milhões. O corte na projeção foi justificado pela demanda abaixo do esperado nos primeiros nove meses deste ano.

Ibovespa

O Ibovespa fechou em alta de 1,14% aos 113.455 mil pontos. O giro financeiro da sessão somou R$ 29,7 bilhões.

Os contratos de Ibovespa para outubro de 2021 subiram 1,58% para 113.780 mil pontos.

Dólar

O dólar comercial fechou em queda de 0,51%, a R$ 5,508 na compra e R$ 5,509 na venda.

Índice pela tarde

Às 16h06, horário de Brasília, o índice subia 1,30% a 113.658 pontos. O dólar comercial sofria desvalorização de 0,47% a R$ 5,51.

Às 15h06, horário de Brasília, o principal benchmark da bolsa avançava 1,52% a 113.285 pontos. O dólar comercial virava para queda de 0,35% a R$ 5,52.

Índice ao meio-dia

Às 12h10, horário de Brasília, o Ibovespa operava em alta de 0,98% a 113.285 pontos. O dólar comercial tinha alta de 0,16% a R$ 5,55.

No início da tarde desta quarta-feira (13), o Ibovespa sobe diante do avanço de papéis da Petrobras - por volta das 12h, os papéis ordinários tinham alta de 0,84% e as preferenciais avançavam a 0,24%.

Investidores seguem atentos a proposta de emenda constitucional (PEC) dos precatórios. Nesta manhã, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, afirmou que a PEC dos precatórios “está mais consolidada". Lira disse ainda que o texto deve ser aprovado na próxima semana (veja mais aqui).

Como foi a abertura do Ibovespa?

Às 10h18, horário de Brasília, o Ibovespa operava em alta de 0,41% a 112.642 pontos. O dólar comercial tinha alta de 0,04% a R$ 5,53.

Nesta quarta-feira (13), o Ibovespa opera em alta, após o feriado, enquanto temores sobre inflação global seguem no destaque do mercado. 

Investidores direcionam atenção à inflação de setembro dos Estados Unidos, que subiu 0,4% em relação a agosto e avançou 5,4% na base anual. Segundo especialistas ouvidos pelo The Wall Street Journal, o resultado ficou um pouco acima das expectativas.

Nesta manhã, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, durante sessão plenária do Fórum Internacional da Semana de Energia, disse que o país apoiará mudanças por crise climática, inclusive as necessidades da Europa sobre gás natural (veja mais aqui). 

Por aqui no Brasil, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, declarou na manhã desta quarta que o país “deveria discutir" se é a hora de privatizar a Petrobras. Em entrevista à CNN Brasil, Lira afirmou ainda que "não há conversa de bastidor nem pra mudar política de preços nem diretoria" (veja mais aqui).

Pré abertura da Bolsa

Em uma semana mais curta para as negociações na B3, a Bolsa brasileira permaneceu fechada na terça-feira (12) devido ao feriado de Nossa Senhora Aparecida. Contudo, investidores destinaram suas atenções para o Dow Jones Brazil Titans 20 ADR, principal índice de ADRs- na prática, ele trata dos papéis das companhias de fora dos EUA negociados em Nova York.

A sessão desta quarta-feira (13) é de destaque para os dados do índice de preços ao consumidor nos Estados Unidos, com expectativa de aumento de 0,3% na base anual, além do início da temporada de balanços e a última reunião do Comitê do Federal Reserve.

Nesta manhã os índices futuros norte-americanos operam com leves altas, após fecharem em queda na véspera.

Autoridades do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) afirmaram que a instituição está mantendo o ritmo em relação à redução do seu programa de recompra de títulos, com expectativa para ser iniciada em novembro deste ano.

Além disso, a Câmara norte-americana aprovou a elevação de US$ 480 bilhões (cerca de R$ 2,4 trilhões) do teto da dívida para permitir a atuação do governo até o dia 3 de dezembro.

Na Europa as bolsas operam em ritmo variado entre si. O índice Stoxx 600, que reúne ações de 600 empresas de todos os principais setores de 17 economias europeias, sobe 0,50%.

Na sessão, são divulgados dados da indústria da zona do euro, o índice recuou 1,6% em agosto ante julho.

A Ásia também vê suas bolsas variarem entre si. Na China, a balança comercial registrou um superávit de US$ 66,76 bilhões (cerca de R$ 347 bilhões) em setembro. Os números superaram a expectativa de US$ 46,8 bilhões (aproximadamente R$ 243 bilhões).

O crescimento das exportações acelerou de forma inesperada, com uma solida demanda, em meio às pressões sobre as fábricas com a crise energética, ressurgimentos de novas infecções por covid-19 e gargalos de oferta.

As exportações subiram 28,1% no mês de setembro, na comparação anual, e avançaram 25,6% em relação a agosto, como foi antecipado pelo Infomoney.
 
Confira os principais índices:
 
ÁSIA
Nikkei 225 [-0,32%]
S&P/A SX 200 [-0,11%]
Hang Seng [+0,23%]
Shanghai [+0,42%]
 
EUROPA
DAX [+0,83%]
FTSE 100 [+0,51%]
CAC 40 [+0,92%]
SMI [+0,47%]
 
ÍNDICES FUTUROS EUA
S&P 500 VIX [-0,26%]
US 2000 [+0,29%]
US Tech 100 [+0,15%]
US 500 [+0,11%]
 
COMMODITIES
Ouro [-0,01%] US$ 1.793,65
Prata [-0,03%] US$23,102
Cobre [+0,19%] US$ 4,4985
Petróleo WTI [+0,12%] US$ 80,69
Petróleo Brent [+0,02%] US$ 83,36
Minério de ferro futuro [-2,93%] US$ 126,42

Relacionadas