Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Bolsa

Ibovespa dispara 1,29% beneficiado pela volatilidade do mercado

Redação BP Money em 15 de outubro de 2021 18:26
  • O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), registrou queda de 0,15% em agosto;
  • As ações do Grupo Pão de Açúcar dispararam 11,85% na sessão desta sexta;
  • O Goldman Sachs divulgou que seus lucros do terceiro trimestre aumentaram 66%;
  • Na Europa, o mercado de ações registrou sua maior alta semanal em sete meses.

O mais importante benchmark brasileiro encerrou o pregão desta sexta-feira (15) com salto de 1,29%. O Ibovespa mais uma vez se beneficiou da forte volatividade do mercado, ocasionada pelo vencimento de opções sobre ações. Além disso, o índice aproveitou o bom cenário internacional para ampliar seus ganhos. 

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) registrou queda de 0,15% em agosto. O resultado foi abaixo das expectativas dos economistas, que previam recuo de 0,05% na comparação mensal. É a primeira vez que o índice recebe números negativos desde maio deste ano, quando recuou 0,40%. No acumuado do ano, o IBC-Br acumula alta de 6,41%.

O diretor de Política Monetária do Banco Central, Bruno Serra, sinalizou que a entidade segue atenciosa ao "bom funcionamento" do mercado de câmbio. O dólar vem em queda desde a abertura dos negócios, com os investidores reagindo à nova intervenção extraordinária do BC no câmbio, no qual vendeu 20 mil contratos de swap cambial tradicional nesta sexta.

O Grupo Pão de Açúcar (GPA) viu suas ações dispararem 11,85% na sessão desta sexta, após o anúncio da venda de 71 lojas da marca Extra para a rede de acarejo Assaí, em um negócio de R$ 5,2 bilhões.

Nos Estados Unidos, as vendas no varejo subiram 0,7% em setembro em comparação com agosto. O resultado veio melhor do que o esperado pelo consenso Refinitiv, de queda de 0,2%, sinalizando uma possível retomada econômica.

O Goldman Sachs, maior banco de investimentos de Wall Street, divulgou os lucros do terceiro trimestre, que impressionaram positivamente o mercado com um aumento de 66% em seu rendimento. O lucro do grupo financeiro atingiu US$ 5,28 bilhões. Durante o mesmo período do ano passado, o lucro foi de US$ 3,23 bilhões.

Com o início sensacional da temporada de resultados corporativos trimestrais, as bolsas de Nova York encerraram, majoritariamente, com forte alta novamente, desviando as preocupações com a inflação no país.

Na Europa, o mercado de ações registrou sua maior alta semanal em sete meses. O principal índice europeu, o STOXX 600, encerrou a semana com crescimento de 2,6%, impulsionado pelo setor bancário que registrou alta de 1,8%, após resultado trimestrais dos credores em Wall Street. Os bancos europeus passaram a operar acima dos níveis pré-pandemia nesta sexta.

Os índices para os setores de varejo, petróleo e gás e viagens aumentaram entre 1,6% e 2% no encerramento da sessão.

Ibovespa

O Ibovespa fechou em alta de 1,29%, aos 114.647 pontos. O volume negociado hoje foi de R$ 30,96 bilhões. Na semana, o índice acumulou alta de 1,55%.

Dólar

O dólar comercial fechou com recuo de 1,1% a R$ 5,454 na compra e R$ 5,455 na venda. No acumulado da semana a moeda norte-americana acumulou alta de 1,58%.

Índice pela tarde

Às 16h54 (horário de Brasília), o principal benchmark da bolsa mantinha expansão de 1,34%, aos 114.702 pontos. O dólar comercial tinha baixa de 1,11% a R$ 5,45.

Às 14h36 (horário de Brasília), o índice avançava 1,14%, aos 114.476 pontos. O dólar comercial recuava 1,31% a R$ 5,44.

Índice ao meio-dia

Às 11h48 (horário de Brasília), o Ibovespa operava em alta de 1,05%, aos 114.379 pontos. O dólar comercial operava em queda de 1,14% a 5,45.

No início da tarde desta sexta-feira (15), o Ibovespa firma alta e passa a subir a mais de 1%, acompanhando o cenário positivo dos mercados exteriores. Empresas de papel e celulose se destacam, como a Suzano, que subia a 2,81%, a R$ 51,26, por volta das 11h56.

Nesta manhã, as ações do Grupo Pão de Açúcar (GPA) também subiram diante da divulgação da conclusão da venda de 71 pontos comerciais instalados em diversas regiões do Brasil para o Assaí. Por volta das 11h59, o papel da companhia tinha alta de 16,33% , a R$ 32,12.

Como foi a abertura do Ibovespa?

Às 10h33 (horário de Brasília), o Ibovespa operava em queda de 0,02%, aos 113.159 pontos. O dólar comercial operava em queda de 0,31% a 5,51.

Nesta sexta-feira (15), o Ibovespa opera em queda, enquanto no exterior, os investidores ficam atentos aos dados de vendas no varejo nos Estados Unidos, que teve alta de 0,7% em setembro.

Ainda nesta manhã, foi divulgado o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br), considerado uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB), registrou um recuo de 0,15% em agosto deste ano, após ter apresentado altas nos meses anteriores (veja mais aqui).

Pré abertura da Bolsa

O Ibovespa encerrou em queda na quinta-feira (14), afetado por um “fluxo técnico”. Com o resultado, o índice se afastou das bolsas internacionais, mas é esperado, por especialistas, que o mercado opere em ritmo positivo na semana que vem.

Na sessão desta sexta-feira (15), atenção para o vencimento de opções sobre ações que pode gerar uma volatilidade para os principais papéis do Ibovespa. No radar econômico, sai o IBC-Br de agosto, que é considerado a prévia mensal do PIB, divulgado pelo Banco Central (BC).

As bolsas internacionais operam em ritmo positivo nesta manhã, em meio a repercussão de dados trimestrais melhores que o esperado de bancos nos Estado Unidos e indicadores econômicos do país.

Nos EUA, as bolsas registram ganhos na manhã desta sexta-feira.

Na véspera, o Departamento de Emprego do país anunciou que os pedidos de auxílio-desemprego totalizaram 293 mil, na semana encerrada em 9 de outubro, sendo a primeira vez que o indicador ficou abaixo dos 300 mil. Além disso, outros dados divulgados apontam um avanço na inflação aos consumidores do país, que tem preocupado os mercados.

As três principais bolsas dos EUA aparentemente irão fechar a semana com desempenho positivo. O S&P teve alta de 1,71% na quinta-feira, este foi o seu melhor resultado desde março; o Dow subiu 1,55%, dando fim a série de quatro sessões negativas; o Nasdaq avançou 1,73%, em seu melhor desempenho desde o mês de maio.

Na Europa, o índice Stoxx 600, que reúne ações de 600 empresas de todos os principais setores de 17 economias europeias, sobe 0,3%, com os papéis de bancos se destacando positivamente.

Na França, a inflação ao consumidor teve uma perda de 0,2% em setembro, ante o mês anterior. Já na comparação anual houve um aumento de 2,7%.

A Ásia viu suas bolsas registrarem altas nesta sexta-feira, com os papéis de Taiwan Semiconductor Manufacturing Company se destacando, com avanço de 4,71%, após a divulgação de seus resultados do período entre julho e setembro.

Atenção ainda para o pronunciamento do banco central da China em relação à incorporadora Evergrande. A instituição afirmou que os riscos que a empresa pode trazer para o sistema financeiro são controláveis e não devem se espalhar. Segundo o InfoMoney, autoridades disseram que os governos locais estão resolvendo a situação com “princípios orientados ao mercado e no Estado de direito”.

Já em relação às commodities, investidores seguem atentos aos preços do petróleo, após a alta na véspera que foi posterior ao movimento da Arábia Saudita de não atender aos pedidos da Organização dos Países Produtores de Petróleo e aliados (Opep+) de incrementar a oferta.
 
Confira os principais índices:
 
ÁSIA
Nikkei 225 [+1,81%]
S&P/A SX 200 [+0,69%]
Hang Seng [+1,48%]
Shanghai [+0,40%]
 
EUROPA
DAX [+0,81%]
FTSE 100 [+0,37%]
CAC 40 [+0,72%]
SMI [+0,65%]
 
ÍNDICES FUTUROS EUA
S&P 500 VIX [-2,74%]
US 2000 [-0,01%]
US Tech 100 [+0,75%]
US 500 [+0,79%]
 
COMMODITIES
Ouro [-1,65%] US$ 1.768,20
Prata [-0,53%] US$ 23,352
Cobre [+1,91%] US$ 4,7200
Petróleo WTI [+1,50%] US$ 82,53
Petróleo Brent [+1,00%] US$ 84,84
Minério de ferro futuro [+0,44%] US$ 122,83

 

Relacionadas