Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Bolsa

Ibovespa desaba 3,39% repercutindo nova variante da Covid-19 no exterior

Redação BP Moneyem 26 de novembro de 2021 18:17
  • OMS alerta que nova variante tem grande número de mutações e podem ser mais resistentes à vacinas:
  • Repercussão derruba preços do barril de petróleo e de ações do setor de aviação e turismo;
  • Dos 84 ativos do Ibovespa, apenas dois encerraram o pregão no azul;
  • Nos Estados Unidos, as bolsas encerram mais cedo por conta da Black Friday;
  • O principal índice da Europa, Stoxx 600 desabou 3,67%;
  • Bolsas asiáticas fecharam com queda expressiva, sendo destaque negativo os papéis de Hong Kong e do Japão.

O Ibovespa despencou 3,39% no pregão desta sexta-feira (26), revertendo os ganhos registrados nas sessões anteriores. O mercado, no geral, repercute o surgimento de uma nova variante da Covid-19 no exterior, podendo diminuir a eficácia das vacinas atuais. As ações mais prejudicadas pela repercussão da nova cepa foram as de aviação e turismo. A cotação do barril de petróleo desabou, puxando as distribuidoras, como a Petrobras e Petrorio, para o vermelho.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) está monitorando uma nova variante da Covid-19, a B.1.1.529. A nova cepa foi identificada na África do Sul, e já tem casos na Ásia e na Europa.  A OMS diz que sabe pouco sobre a variante, mas informou que ela possui um grande número de mutações que surgiram da resistência a anticorpos, podendo reduzir o efeito de vacinas já existentes.

Liderando as perdas do Ibovespa, o setor de aviação e turismo derreteu após repercussão da nova cepa. O segmento, que começava a se reestruturar após flexibilização das medidas sanitárias, teme por uma nova política de lockdowns e fechamento das fronteiras, o que impactaria diretamente nas receitas das empresas do setor.

Com a maior queda no índice, as ações da Azul despencaram 14,18%, os papéis da Gol desabaram 11,81%, os ativos da CVC caíram 11,06%, enquanto os da Embraer tiveram baixa de 8,41%.

Os contratos futuros do petróleo despencaram com recuo de até 13%. Tanto em Nova York, quanto em Londres os ativos tiveram o pior desempenho desde o início de setembro, com o WTI tendo perdido a marca dos US$ 70. O colapso se deu diante das preocupações sobre a demanda, em meio às notícias sobre a nova variante do coronavírus. Os papéis da Petrobras recuaram 3,88% e 4,36%, enquanto as ações da Petrorio despencaram 8,74%.

Dos 92 ativos do Ibovespa, apenas duas ações encerraram em alta, os papéis da Taesa e da Suzano.

Nos Estados Unidos, as bolsas encerram mais cedo por conta da Black Friday, sofrendo menos com a repercussão da nova cepa. O Dow Jones recuou 2,53%, o S&P 500 caiu 2,09% e o Nasdaq fechou em baixa de 2,23%.

Na Europa, as bolsas derretem, o principal índice do continente, Stoxx 600 desabou 3,67%, repercutindo a nova variante no Velho Continente.

Na Ásia, as bolsas fecharam com queda expressiva, sendo destaque negativo os papéis de Hong Kong e do Japão, em meio a temores sobre a propagação da nova variante. Uma reunião especial foi agendada para a sexta-feira (3) para discutir as implicações da variante para vacinas e tratamentos.

Ibovespa
O principal benchmark da B3 recuou 3,39% aos 102.224. O volume negociado foi de R$ 26,9 bilhões.

Dólar
A moeda norte-americana avançou 0,55% a R$ 5,595 na compra e R$ 5,596 na venda.

Índice pela tarde

Às 16h35 (horário de Brasília), o índice tinha baixa 3,56% aos 102.048 pontos. O dólar avançava 0,55% a R$ 5,59.

Às 15h06 (horário de Brasília), o principal benchmark da bolsa recuava 3,18% aos 102.446 pontos. O dólar virava para alta de 0,36% a R$ 5,58.

Índice ao meio-dia

Às 12h17 (horário de Brasília), o Ibovespa operava em queda de 3,87% aos 101.719 pontos. O dólar tinha queda de 0,25% a R$ 5,58.

No início da tarde desta sexta-feira (26), o Ibovespa afunda com as suspeitas de que a nova variante da covid-19, encontrada na África do Sul, seja imune às vacinas, podendo provocar novos lockdowns. 

O anúncio da nova cepa, que possui mais de 30 mutações, fez com que as bolsas internacionais iniciassem o pregão de hoje registrando baixas expressivas. A partir disso, a União Europeia anunciou que irá propor a proibição de voos vindos da região, a fim de conter a propagação do vírus (veja mais aqui).

As ações de companhias aéreas e de turismo registraram forte queda (veja aqui). Nesta manhã, os papéis da Gol (PN) caíam 10,18%, a R$ 15,36, os da Azul recuavam 8,73%, para R$ 24,74. Os papéis da CVC (ON) tinham queda de 8,80%, a R$ 15,34. 

Especialistas avaliam que diante das preocupações com a nova variante, o Federal Reserve (Fed), banco central dos Estados Unidos, pode adiar a alta de juros e mudar a política monetária (veja mais aqui).

Como foi a abertura do Ibovespa?

Às 10h15 (horário de Brasília), o Ibovespa operava em queda de 3% aos 102.637 pontos. O dólar tinha alta de 0,74% a R$ 5,60.

Na manhã desta sexta-feira (26), o Ibovespa opera em queda com os mercados internacionais caindo com a repercussão da notícia da nova variante da covid-19, encontrada na África do Sul.

Na quinta-feira (25), autoridades da Organização Mundial da Saúde (OMS) alertaram sobre a nova cepa e convocaram uma reunião especial para esta sexta para aprofundar os estudos sobre a mutação. A chefe da agência de segurança e saúde do Reino Unido, Susan Hopkins, avalia a variante como a “mais preocupante” já vista no mundo.

“Ela tem uma variedade de mutações diferentes, mutações que elevam a infectividade, que escapam à resposta imune tanto das vacinas como a natural e outras que causam um aumento da transmissibilidade”, explicou Hopkins em entrevista à BBC.

Com a nova variante, o preço do petróleo Brent caiu mais de 5% na manhã desta sexta (veja mais aqui). Por volta das 7h32 (horário de Brasília) desta sexta, o petróleo Brent negociado em Londres recuava 5,69% a US$ 77,56 (R$ 431,80) por barril. O petróleo do tipo WTI, negociado nos Estados Unidos, tinha queda de 6,5% a US$ 73,31 (R$ 408,14). 

Ainda entre as commodities, os preços do minério de ferro recuaram, com impacto da variante. Conforme a publicação da Fastmarkets MB, o minério com teor de 62% de ferro fechou o dia com baixa de 5,6% no porto de Qingdao, para US$ 96,67 (R$ 541,47) por tonelada.

No cenário corporativo,  o destaque é a reorganização societária do Inter, que foi aprovada na véspera em assembleia. Além disso, a Eletrobras também está no radar, com a sua alienação de participações societárias minoritárias. Veja o que é notícia entre as empresas aqui

Pré abertura da Bolsa

O Ibovespa registrou um salto de 1,24% na quinta-feira (25), com a repercussão da prévia da inflação, que veio em linha com as expectativas de analistas. Entre as maiores altas do índice, estava o Banco Pan, após o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovar a incorporação do Mosaico à fintech. Além disso, os desdobramentos da PEC dos Precatórios seguem no radar de investidores.

Na sessão desta sexta-feira (26), o destaque está para as preocupações em relação à nova da Covid-19, anunciada pela África do Sul, que contém mais de 30 mutações. A notícia trouxe uma derrubada generalizada das bolsas internacionais, junto aos preços do petróleo. O ETF iShares MSCI Brasil caiu 3,72%.

Os índices futuros norte-americanos recuaram nesta manhã com as preocupações em relação à nova variante do vírus, a queda veio em meio a retomada das operações após o feriado do Dia de Ações de Graças na véspera. Investidores estadunidenses se preparam para um dia mais curto nas operações.

O rendimento dos títulos do Tesouro dos EUA também apresentou quedas. O rendimento da nota com vencimento em dez anos caiu 1,5380%, após o avanço de 1,65%.
Na semana, o Nasdaq cai 1,3%; o S&P sente ganho de 0,1%; e o Dow recua 0,6%.

Relatórios econômicos de outubro, divulgados na quarta-feira (24), apresentaram dados fortes em relação à renda pessoal e gastos do consumidor.Os novos pedidos de seguro-desemprego acima das expectativas marcaram o mercado.

Na Europa, as bolsas também sentem perdas, com o setor de viagem e lazer liderando as quedas. O índice Stoxx 600, que reúne ações de 600 empresas de todos os principais setores de 17 economias europeias, recua 2,40%.

A Itália anunciou, na quarta-feira, a implementação de restrições de mobilidade em decorrência da nova onda de infecções pela Covid-19. Já a Alemanha, evitou aderir a medidas mais severas, contudo, a nova coalizão governista que observa se as regras mais rígidas do passaporte de Covid ajudam a reduzir o aumento dos casos, como foi antecipado pelo InfoMoney.

A maior parte das bolsas asiáticas fecharam em queda nesta sexta-feira, com destaque negativo para as companhias listadas em Hong Kong e no Japão, em meio a receios em relação à nova variante da Covid-19. Nesta data, houve uma reunião especial para tratar de possíveis tratamentos e vacinas para as novas mutações do vírus.

Em relação às commodities, os preços do petróleo sentiram quedas, bem como os do minério de ferro, também devido às preocupações com a nova variante. Além disso, o Bitcoin também sentiu perdas por conta da Covid.
 
Confira os principais índices às 7h44:
 
IFIX [-0,35%]
 
ÁSIA
Nikkei [-2,53%]
S&P/A SX 200 [-1,73%]
Hang Seng [-0,56%]
Shanghai [-0,56%]
 
EUROPA
DAX [-2,98%]
FTSE 100 [-2,93%]
CAC 40 [-3,68%]
SMI [-1,58%]
 
ÍNDICES FUTUROS EUA
S&P 500 VIX [+15,20]
US 2000 [-4,18%]
US Tech 100 [-1,36%]
US 500 [-1,95%]
 
COMMMODITIES
Ouro [+1,51%] US$ 1.811,25
Prata [+0,58%] US$ 23,633
Cobre [-2,99%] US$ 4,3050
Petróleo WTI [-6,72%] US$ 73,12
Petróleo Brent [-5,83%] US$ 77,43
Minério de ferro futuro [-1,09%] US$ 94,55

Relacionadas