Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir
Logo BP Money
Imposto de Renda: Receita Federal libera consulta da restituição
Drake perde mais de R$ 1 milhão após apostar em piloto da Ferrari na Fórmula 1
Paola Carosella: restaurante de chef é atacado nas redes após polêmica
Mercado

HAPV3 é a favorita do setor de saúde, diz analistas

Em relatório, os especialistas estipularam preço-alvo de R$ 19 para os papéis da Hapvida, uma alta de 56%

por Redação BP Money

28 de janeiro de 2022 16:34
HAPV3 é a favorita do setor de saúde, diz analistas

As ações da Hapvida (HAPV3) foram eleitas as “favoritas” do setor de saúde no momento, em relatório enviado nesta sexta-feira (28). Os analistas do BTG recomendaram a compra dos papéis, estipulando um preço-alvo de R$ 19, um potencial de valorização de 56,7% ante a cotação do fechamento da última quinta-feira (27).

Os especialistas ressaltam os dados da 20° edição da pesquisa da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que mostrou aumento nos índices de sinistralidade das operadoras, de 1 ponto percentual, no mês de dezembro ante novembro, enquanto os casos de covid-19 aumentaram pelo segundo mês consecutivo para 43% do total.

Além disso, os índices de inadimplência seguiram estáveis no período. Tanto para planos de saúde individuais, em 11%, como para os planos corporativos, em 5%, diz o banco, em relatório assinado por Samuel Alves, Yan Cesquim, Bruno Lima e Marcel Zambello.

A casa de análise também cita três principais impulsos para os papéis:

Sinergias fiscais da fusão com a Notre Dame Intermédita (GNDI3);
Sinergias de receita, também relacionadas à fusão com GNDI3;
Potencial para mais fusões e aquisições.

Itaú
Recentemente o Itaú BBA afirmou que as ações da Hapvida são um “bom ponto de entrada” até R$ 12, e também recomendou a compra dos papéis. Os analistas destacam que o HAPV3 pode disparar até 30% caso se funda com a Notre Dame.

A BP Money apenas reproduz análises com intenção de levar matérias de cunho jornalístico para democratizar o direito à informação. Nossas publicações devem ser compreendidas como boletins anunciadores e divulgadores, e não como uma recomendação de investimento.