Logo BP Money
Prejuízo com o Pix? Bancos driblam novidade e têm resultados positivos
Apple (APPL34) e Kim Kardashian lançam nova coleção de fones
Mercado

Eletrobras (ELET3;ELET6) lidera altas do Ibovespa no “dia D” da privatização

Investidores aguardam a definição de preço dos papéis que serão emitidos, sacramentando a privatização da companhia

por Alexandre Puga

9 de junho de 2022 16:29Atualizado em: 9 de junho de 2022 16:33
Eletrobras (ELET3;ELET6) lidera altas do Ibovespa no “dia D” da privatização

As ações da Eletrobras (ELET3;ELET6) lideram o Ibovespa, principal índice acionário brasileiro, nesta quinta-feira (09), com os investidores no aguardo da definição de preço dos papéis que serão emitidos e tornarão a companhia em uma empresa privatizada. Por volta das 16:15, o papel ELET3 apresentava alta de 3,46%, cotado a R$ 43,60, enquanto a ação ELET6 valorizou 2,98%, a R$ 42,87. Na quarta-feira (08), ELET3 fechou a R$ 42,14 e ELET6 a R$ 41,63.

A megaoferta de ações que marcará a privatização da Eletrobras poderá movimentar até R$ 35 bilhões. A oferta será inicialmente de 697.476.856 ações e elas começam a ser negociadas na segunda-feira (13).

A maioria dos recursos (R$ 26,7 bilhões) irá para o caixa da companhia e outros R$ 3 bilhões irão para o governo, que venderá 69.801.516 papéis da BNDESPar.

A Eletrobras (ELET3;ELET6) precifica nesta quinta-feira sua mega oferta de ações e chega à reta final do bookbuilding (processo utilizado para definir um preço justo para o IPO) com volume de sobra para emplacar a operação. Conforme fontes próximas à oferta, até o início da tarde da quarta-feira (08), a empresa já tinha assegurado cerca de R$ 53,5 bilhões em reservas.

A demanda via fundo de garantia (FGTS) está em torno de R$ 7,5 bilhões, mas as alocações serão limitadas a R$ 6 bilhões – o que já sinaliza rateio entre os investidores. Os trabalhadores podiam investir até 50% do saldo, e os pedidos se encerraram na última quarta-feira ao meio-dia.

Se todos os papéis da Eletrobras forem negociados, a União e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) passarão dos atuais 60% para 32,96% do capital da gigante elétrica. A companhia deixa de ser controlada pelo governo.