Logo BP Money
Prejuízo com o Pix? Bancos driblam novidade e têm resultados positivos
Apple (APPL34) e Kim Kardashian lançam nova coleção de fones
Mercado

Combustíveis: Governo cogita decretar calamidade pública para frear alta de preços

Intenção do governo é custear medidas para subsidiar os preços

por

2 de junho de 2022 10:50Atualizado em: 2 de junho de 2022 11:11
Combustíveis: Governo cogita decretar calamidade pública para frear alta de preços
Foto: Agência Brasil

O governo Jair Bolsonaro continua buscando uma solução para reduzir o preço dos combustíveis. De acordo com informações da "Folha de S. Paulo", um novo decreto de calamidade pública pode ser chancelado a quatro meses da eleição.

A gestão federal teria mais segurança para abrir créditos extraordinários sob a vigência da calamidade. Esses créditos permitem o uso de recursos fora do teto de gastos.

A intenção do governo é custear medidas para subsidiar os preços ou disponibilizar auxílios a caminhoneiros, entregadores e motoristas de aplicativo.

Segundo a "Folha", a guerra entre Rússia e Ucrânia e uma crise de abastecimento de diesel estão entre as justificativas para que o decreto seja realizado.

O mecanismo está previsto na Constituição e na LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal) e também pode ser usado para aplicar medidas importantes em meio ao período eleitoral.

De acordo com a lei eleitoral, está proibida a "distribuição gratuita de bens, valores ou benefícios por parte da administração pública". Contudo, existe uma brecha na legislação para situações extremas, como é o caso de um decreto de calamidade.

Combustíveis: último decreto de calamidade foi feito em 2020, no início da pandemia

O último decreto de calamidade foi aprovado pelo Congresso em março de 2020, em meio ao início da pandemia da Covid-19. O decreto se restringiu ao ano de 2020 e não foi aumentado para o restante da crise sanitária.

O presidente Jair Bolsonaro está em segundo nas pesquisas de opinião. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva aumentou a sua vantagem na liderança, segundo uma pesquisa do Datafolha. O petista registra 48% das intenções de voto contra 27% de Bolsonaro.

Segundo a “Folha de S.Paulo”, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, e o da Casa Civil, Ciro Nogueira, são os principais defensores do novo decreto de calamidade pública para reduzir o preço dos combustíveis.