Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir
Logo BP Money
Uber: motorista ganha mais de R$ 1 milhão após ajudar influencer roubada
Criptomoeda LUNA: conheça empresário que fez investidores perderem US$ 40 bi
Hotel brasileiro é eleito o segundo melhor do mundo em 2022
Mercado

Braskem lidera baixas do Ibovespa após fala de ex-presidente

Grubisich entrou com uma liminar na Justiça para que o valor arrecadado com a venda das ações seja depositado em juízo

por Mariana Puonzo

26 de janeiro de 2022 17:50
Braskem lidera baixas do Ibovespa após fala de ex-presidente

Após abrir em alta na sessão desta quarta-feira (26), as ações da Braskem reverteram ganhos e viraram para uma expressiva queda, apresentando uma das maiores baixas do Ibovespa no pregão, com recuo de 3,93%, a R$ 47,92 às 17h45 (horário de Brasília), em linha com a desvalorização do dólar no dia que acabou impactando negativamente empresas exportadoras, que contam com parte das receitas na moeda americana. 

Outro fator que puxou as ações para baixo foi o pedido de liminar na Justiça do ex-presidente da petroquímica, José Carlos Grubisich, para que o valor arrecadado com a venda das ações que a controladora Novonor detém na Braskem seja depositado em juízo, segundo informações divulgadas pelo Scoop.

A justificativa de Grubisich é o fato de que uma ação, também movida por ele e pela Graal Participações sobre a petroquímica, ainda não tenha sido resolvida pela Justiça, mostra trecho do documento expedido na véspera, ainda de acordo com à publicação.

A ação em questão foi protocolada em dezembro de 2019. De acordo com Grubisich, houve fraude justamente na transação da mesma, fazendo com que a Novonor tivesse que ceder sua fatia na Braskem, no valor de R$18,45 bilhões, para refinanciar dívidas com Itaú Unibanco, Bradesco, BNDES, Banco do Brasil e Santander Brasil para receber novos empréstimos. 

Na solicitação encaminhada nesta terça (25), Grubisich, que é um dos credores da Novonor, afirmou que o prospecto de venda das ações da Braskem registrado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) no início do ano deixa nítido que o montante arrecadado com a comercialização dos papéis preferenciais da companhia será revertido no pagamento dos créditos do Bradesco, Itaú e Santander.

O ex-CEO da companhia ainda defendeu a ideia de que os outros bancos e credores só devem receber sua parte na dívida com a venda das ações ordinárias “que deverá ser objeto de nova oferta pública”.

Até o momento, a Novonor possui 50,1% do capital votante da Braskem e a Petrobras 47%.

Follow-on

O pedido oficial para o processo de venda foi publicado na madrugada de sábado (15) na CVM. De acordo com o documento do órgão, serão oferecidas até 154.886 ações preferenciais da série A da Braskem na B3 e no exterior, sob a forma de recibos desses papéis, as ADRs. Não haverá colocação de lote adicional ou suplementar. Considerando o valor de R$ 52,16 do fechamento da sexta (14), a oferta global movimentaria mais de R$ 8 bilhões.