Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Bolsa

Black Friday na Bolsa: ações com descontos que valem a pena

Redação BP Moneyem 25 de novembro de 2021 17:48
  • De acordo relatórios da Economática, os lucros das companhias, tirando a Vale (VALE3) e Petrobras (PETR3;PETR4), aumentaram 140% esse ano;
  • Esse descasamento entre altos lucros e queda da Bolsa pode ser visto em ações baratas;
  • A BB Seguridade (BBSE3) não ficou de fora e recebeu a recomendação do sócio e diretor operacional da mesa proprietária Axia Investing.

Durante os últimos meses o Ibovespa vem sofrendo com a crise fiscal, inflação, baixo crescimento para 2022 e alta dos juros, despencando para 104 mil pontos atualmente. Essa dificuldade serviu para mostrar a força das empresas listadas na Bolsa. 

De acordo relatórios da Economática, os lucros das companhias, tirando a Vale (VALE3) e Petrobras (PETR3;PETR4), aumentaram 140% em relação ao ano passado e 354% ante o mesmo período de 2019. Esse descasamento entre altos lucros e queda da Bolsa pode ser visto em ações baratas.  

Com o clima da Black Friday, alguns analistas encontraram ações que podem dar bons retornos para 2022, com aquele desconto que vale a pena. Segundo a analista da Top Gain, Bruna Amalcaburio, os “setores de materiais básicos, como Vale, CSN (CSNA3) e Gerdau (GGBR4) estão na faixa de 3 vezes, então isso é bastante atrativo. Várias empresas de energia elétrica também, além de serem ótimas pagadoras de dividendos. O setor é considerado mais perene porque trabalha com contratos de longo prazo”. 

Foram citados também, ainda por Amalcaburio, a Cyrela (CYRE3) e a Eztec (ETZC3), que não recuperaram o valor pré-Covid de 2019, mas que pelos cálculos da Ágora Investimentos, ambas têm, respectivamente, um P/L para 2022 de 5,3 vezes e 5,5 vezes.  

“Por mais que seja um setor obscuro, que é penalizado pela inflação, nós temos no Brasil grandes construtoras, cujos os fundamentos estão melhorando”, disse Bertotti, da Messem. 

Empresas tradicionais, como os bancos e as commodities, não ficam de fora das lembranças dos especialistas. O Banco do Brasil (BBAS3), por exemplo, possui um fundamento extremamente solido, de acordo com  Bertotti. “Os bancos sabem se adaptar muito ao cenário do Brasil. Eles vêm fazendo o dever de casa. Prova disso são os lucros que nós vemos. O BB negocia muito abaixo do seu valor patrimonial e tem uma capilaridade grande, com foco no agro”, afirma o analista. 

Outro banco que recebeu comentários foi o ABC (ABCB4), pois segundo a analista fundamentalista na Benndorf, Niels Tahara, o banco está barato em termos de múltiplos de valuation, negociando a um P/L de 6,8 vezes. 

“Vemos o banco como o mais protegido contra um aumento na inadimplência e bem posicionado para se aproveitar de outros fatores macroeconômicos, como aumento do CDI. Além disso, o Banco ABC tem histórico de pagar 50% do lucro em dividendos”, argumenta. 

A BB Seguridade (BBSE3) não ficou de fora e recebeu a recomendação do sócio e diretor operacional da mesa proprietária Axia Investing, Caio Kanaan Eboli. De acordo com ele “a seguradora possui valor intrínseco interessante, com P/L de 11,88 vezes e potencial de alta de 30% no médio prazo e 48% no longo prazo, onde estaria seu topo histórico, por volta de R$ 33”.

A BP Money apenas reproduz análises com intenção de levar matérias de cunho jornalístico para democratizar o direito a informação. Nossas publicações devem ser compreendidas como boletins anunciadores e divulgadores, e não como uma recomendação de investimento.

Relacionadas