Logo BP Money
Apple (APPL34) e Kim Kardashian lançam nova coleção de fones
Locaweb (LWSA3) é “top pick” no setor, defende BofA
Internacional

China: cinco mísseis parecem ter caído em zona do Japão, diz ministro

Ainda de acordo com o ministro, o Japão apresentou um protesto por vias diplomáticas contra a China

por Redação BP Money

4 de agosto de 2022 11:11Atualizado em: 4 de agosto de 2022 11:17
China: cinco mísseis parecem ter caído em zona do Japão, diz ministro
China iniciou um período de exercícios militares | Foto: Freepik

Cinco mísseis balísticos disparados pela China parecem ter caído na zona econômica exclusiva do Japão (ZEE), segundo o ministro da Defesa japonês, Nobuo Kishi, acrescentando que foi o primeiro incidente desse tipo.

Ainda de acordo com o ministro, o Japão apresentou um protesto por vias diplomáticas contra a China. 

China inicia período de exercícios militares e teste de mísseis

Nesta quinta-feira (4), a China iniciou um período de exercícios militares e teste de mísseis nos arredores de Taiwan, que fica a 200 quilômetros (por mar). A movimentação terá duração de quatro dias, segundo o governo em Pequim.

A movimentação chinesa na região de Taiwan ocorre como resposta direta à visita de Pelosi. O governo chinês ficou bastante incomodado com a aparição da norte-americana. 

A última vez que um oficial do mesmo patamar visitou Taiwan foi em 1997, o que fez da visita da parlamentar do Partido Democrata um marco histórico - e irritou o governo chinês.

Ainda não se sabe a magnitude dos exercícios, mas estima-se que a ação pode ser vista como a mais provocativa contra Taiwan em décadas.

Em meio ao incômodo chinês, a Casa Branca tenta convencer a China de que a visita de Pelosi não deve se tornar uma crise global e que não representa uma mudança em sua política de "China única".

No entanto, a China viu a viagem como uma ameaça a sua soberania, e avisou, antes do embarque de Pelosi, que poderia haver "consequências". 

Leia também: 

Embora a situação entre China e Taiwan seja antiga, atualmente soma-se ao cenário a possibilidade de o conflito escalar para patamares globais, envolvendo a China, os EUA e outras potências.