Logo BP Money
Apple (APPL34) e Kim Kardashian lançam nova coleção de fones
Locaweb (LWSA3) é “top pick” no setor, defende BofA
Internacional

BCE: Pandemia causou queda acentuada de investimentos na zona do euro

Em nota, Banco Central Europeu apontou que negócio despencaram com o surto

por Redação BP Money

3 de agosto de 2022 17:04
BCE: Pandemia causou queda acentuada de investimentos na zona do euro
Pandemia acelerou o processo de transformação estrutural em curso/Freepik

Uma queda acentuada nos investimentos na zona do euro foi observada pelo Banco Central Europeu (BCE). Ainda assim, a movimentação negativa foi seguida por uma recuperação importante, como divulgado em análise da autarquia nesta quarta-feira (3).

Segundo o estudo, os riscos para as perspectivas de investimento aumentaram com a guerra da Rússia na Ucrânia. Por outro lado, a pandemia acelerou o processo de transformação estrutural em curso na zona do euro, com destaque para benefícios do investimento digital e verde.

Ainda de acordo com a análise, os negócios na zona do euro despencaram com o surto, causando problemas no capital de giro das empresas e atraso no planejamento estratégico a partir do primeiro semestre de 2020. Contudo, esse cenário foi revertido através da adoção de uma política monetária e fiscal severa, evitando uma crise ainda maior.

A nota do BCE ainda aponta que os investimentos em solo europeu enfrentaram diversos obstáculos relacionados a gargalos de fornecimento, custos crescentes de energia e grande incerteza do futuro global. 

Banco central da Argentina elevou taxa de juros para 60% ao ano

Na última semana, o Banco Central da República da Argentina (BCRA) elevou a taxa de juros do país, Leliq (Letra de Liquidez), em 8 pontos percentuais, passando dos 52% para 60% ao ano. Essa é a sétima alta e equivale a uma taxa efetiva anual (TEA) de 79,8. Em 14 de julho, o país registrou inflação de 64% no acumulado de 12 meses.

Silvina Batakis, ministra da Economia argentina, enviou pedido de renúncia ao presidente, Alberto Fernandéz, na última quinta-feira (28), após 24 dias no cargo. Ela substitiu Martín Guzmán, que também pediu demissão do posto. O presidente recusou o pedido da ministra e ainda anunciou a criação de um “superministério”, com a premissa de reorganizar as áreas econômicas de seu gabinete para um melhor funcionamento, coordenação e gestão.