Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Inovação

Com pandemia, healthtechs crescem 118%

Luiza Gonçalvesem 23 de setembro de 2021 12:44
  • As healthtechs, startups voltadas para a saúde, captaram cerca de R$ 483 milhões em investimentos;
  • O setor com maior destaque foi o de gestão de clínicas e hospitais, com crescimento de 25,1%;
  • No ano passado, o principal polo, contendo 43,1% das healthtech brasileiras, foi o estado de São Paulo.

O segmento de saúde é o terceiro maior em número de startups e entre 2018 e 2020, período em que a pandemia da Covid-19 esteve afetando todos os mercados mundiais, as chamadas healthtechs apresentaram um crescimento de 118% no Brasil, como apontou o estudo HealthTech Report 2020.

O setor com maior destaque foi o de gestão de clínicas e hospitais (crescimento de 25,1%), em um momento (no último ano) em que os hospitais enfrentaram superlotações. Em segundo lugar vem o setor de acesso à informação (17,3%), depois o marketplace (13%), diagnótico (10,5%), entre outros que tiveram um crescimento mais contido.

Em 2020, o segmento recebeu US$ 93 milhões (R$ 483,6 milhões) em investimentos, de acordo com a pesquisa do Inside Healtech, o valor foi distribuído em 42 negociações entre janeiro e outubro.

Com os investimos e novas empresas sendo criadas, cerca de 10 mil pessoas foram empregadas pelas emergentes de tecnologia.

No ano passado, o principal polo, contendo 43,1% das healthtech brasileiras, foi o estado de São Paulo, seguido por Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro.

Um exemplo de healthtech que se destaca é a Brain4care, fundada em 2009 em São Paulo, ela desenvolve tecnologia de monitoramento não-invasivo de pressão e volume intracraniano. Ou seja, a tecnologia pode reduzir riscos neurológicos dos pacientes e por ser pouco invasiva reduz os cursos assistenciais.

Relacionadas