Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Fundos Imobiliários

FII x Imóveis: qual a melhor opção?

Mariana Puonzoem 27 de outubro de 2021 19:30
  • Cada um tem suas vantagens e desvantagens, cabe ao investidor definir qual tipo é o melhor para si;
  • Investir na compra de um imóvel exige um aporte inicial bem elevado, e em grandes cidades o valor é a partir de R$ 200 mil;
  • A realidade para os FII é bem diferente, pois é possível iniciar o investimento nesses fundos por volta de R$ 100,00 (mais encargos);
  • As cotas de fundos imobiliários são negociadas na Bolsa, o que não só reduz o risco de não vender o ativo como te livra das complicações burocráticas.

Investir em Fundos Imobiliários ou comprar um imóvel? Esse é um dos questionamentos mais frequentes que permeia iniciantes no meio financeiro e a resposta é simples: cada um tem suas vantagens e desvantagens, cabe ao investidor definir qual tipo é o melhor para si

Investir na compra de um imóvel exige um aporte inicial bem elevado, haja vista que é praticamente impossível achar um empreendimento em uma grande cidade por menos de R$ 200 mil. Isso se levarmos em conta o valor à vista, já que esse montante cresce em grande escala se for feito um financiamento. Além do valor inicial elevado, o investimento direto em empreendimentos imobiliários, na maioria das vezes, dificulta a diversificação.

A realidade para os FII é bem diferente, pois é possível iniciar o investimento nesses fundos por volta de R$ 100,00 - mais encargos - e consegue-se realizar a diversificação da carteira. No quesito praticidade, é viável comprar uma cota de um FII com apenas alguns cliques (considerando que o investidor tenha uma conta em uma corretora), já ao comprar um imóvel direto, além dos altos portes iniciais, o investidor se encarrega de várias outras despesas burocráticas como a transferência nominal do imóvel, certidões, cartório, ITBI (Imposto para Transmissão de Bens Imóveis), IPTU (Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana), comissão do corretor, registros etc. 

As cotas de fundos imobiliários são negociadas na Bolsa, o que não só reduz o risco de não vender o ativo como te livra das complicações burocráticas. A maioria desses ativos, principalmente os que fazem parte do IFIX (Índice de Fundos de Investimentos Imobiliários), são vendidos quase que imediatamente a preço de mercado.

Em contrapartida, vender um imóvel não é fácil e depende de várias variáveis e burocracias de transferência, logo, não possui boa liquidez. Sem contar que, se precisar de dinheiro, no caso do investimento em imóveis, não é possível vender apenas parte do seu ativo, ou seja, não dá para colocar à venda apenas uma sala ou um quarto do apartamento, por exemplo. Por outro lado, esta é uma vantagem que os FIIs oferecem devido ao fato do investimento em fundos ser negociado através de cotas, o que torna possível vender apenas uma parte do patrimônio. 

Ademais, existe também o benefício tributário. A renda obtida através das distribuições periódicas é isenta de Imposto de Renda nos FIIs, enquanto nos imóveis físicos o aluguel é tributado de acordo com a tabela progressiva, podendo chegar a 27,5%. 
 

Relacionadas