Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Exclusivas

Sócio da Athena Capital, João Medeiros fala sobre dinâmicas do Grupo Mateus e situação atual do setor

Mariana Puonzoem 29 de junho de 2021 22:36

    Em conversa com a BP Money, o sócio da Athena Capital, João Medeiros, falou sobre as dinâmicas do Grupo Mateus (Gmat3), destacou os diferenciais da empresa e explicou como o auxílio emergencial impactou o setor.

    Confira a entrevista na íntegra:

    Qual é o grande diferencial do Gmat3 quando comparado aos seus principais peers?

    O grande diferencial do Grupo Mateus foi ter criado um modelo de negócios que misturou o segmento de Distribuição, Atacarejo (ou Cash & Carry), Supermercados/Hipermercados, Formato Camino [uma espécie de mini Atacarejo] e o segmento de Eletro. Com isso, conseguiu criar rotas logísticas densas o suficiente para operar em cidades do interior, com boa rentabilidade e com nível de serviço diferenciado, oferecendo açougue, panificação, peixaria e frios, por exemplo. O resultado é que a competição para o Grupo Mateus, em sua maior parte, é o mercado de bairro e não as grandes redes Nacionais, como Assaí (Controlada pelo Grupo Pão de Açucar) e Atacadão (Controlada pelo Grupo Carrefour), que operam principalmente nas grandes cidades e sem entregar todo o serviço que o Grupo Mateus entrega.

    Como funciona a dinâmica de margens do setor?

    O Mateus trabalha com margem EBITDA de 8% versus aproximadamente 7% do Assaí e um pouco abaixo de 8% no caso do Atacadão. A maior parte da margem se dá por três motivos, principalmente: o benefício fiscal concedido pelo estado do Maranhão, o maior nível de serviços nas lojas (exemplo: açougue e panificação) e o posicionamento em cidades do interior, onde existe menos competição.

    Com a chegada do auxílio emergencial, como ficou a situação nesse setor? E qual será o impacto do novo auxilio?

    O auxílio emergencial certamente foi positivo, mas é difícil quantificar seu impacto em vendas. O que conseguimos ver era que, pela métrica de “vendas mesmas lojas” [o famoso SSS], o patamar de crescimento de aproximadamente 5%aa que a empresa vinha apresentando passou para +12% no 2º trimestre de 2020. Alguns outros motivos contribuíram para a aceleração de vendas, entre eles a inflação de alimentos, que chegou a rodar próxima a +20% no ano. O próximo auxílio deverá mais uma vez ter impacto positivo em vendas, porém menos relevante que o impacto de 2020.

    Em relação ao P/E de 18x do GMTA3, esse múltiplo não estaria mais caro quando comparado ao ASSAÍ um dos principais concorrentes e com vias de crescimento semelhantes?

    Enxergamos o Grupo Mateus negociando a 18,2x seu lucro esperado para o ano de 2021 (vs 17,3x no Assaí). O prêmio é merecido por enxergarmos maior potencial de crescimento nos próximos anos e por este posicionamento em cidades de menor porte no interior do país, protegendo a rentabilidade do grupo . Este é um ponto relevante especialmente por se tratar de um segmento onde as margens operacionais são muito baixas. Ainda vale ressaltar que ter um controlador do calibre do Sr. Ilson Mateus a frente do negócio, e com alinhamento de longo prazo, pesa muito para o prêmio de múltiplo. Por último, importante frisar que gostamos também da empresa Assaí e achamos que ambas estão negociando suas ações abaixo de seus respectivos valores justos.

    Qual é a dependência do benefício fiscal e qual seria o impacto da perda desse benefício fornecido pelo estado do Maranhão?

    Benefício fiscal é relevante e representa mais de 30% do seu lucro líquido. Por outro lado, acreditamos que existam ganhos de eficiência ainda a serem capturados que mitigam a queda de rentabilidade em um possível cenário onde a empresa deixe de ter tais incentivos.

     

    Relacionadas