Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Dinheiro

XP reduz projeção para PIB e prevê alta na inflação

Redação BP Money em 23 de outubro de 2021 10:00
  • “Em nossa opinião, estamos observando uma mudança de regime na condução da política fiscal, e não apenas uma piora na margem”, disse o relatório;
  • No que diz respeito à taxa de juros, é esperado que a alteração no quadro fiscal mude o cenário base do Banco Central, que deve agir tempestivamente;
  • A projeção para a inflação foi de 9,0% para 9,1%.

A XP reduziu a projeção do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro e espera juros, dólar e inflação mais altos no final de 2021 e em 2022. A nova avaliação foi decorrente das recentes movimentações do governo.

Foi anunciado o aumento do teto de gastos, com a finalidade de ampliar o novo Bolsa Família, o Auxílio Brasil, e outras despesas.

“Em nossa opinião, estamos observando uma mudança de regime na condução da política fiscal, e não apenas uma piora na margem”, disse Caio Megale, economista-chefe da XP, em relatório, de acordo com o Valor. “Julgamos que o arcabouço fiscal brasileiro mudou nas últimas semanas, para permitir uma trajetória de gastos maior adiante”, continuou.

Nesta conjuntura, a corretora espera que a taxa de câmbio fique em torno de R$ 5,7 por dólar em 2021 e 2022.

Em relação à inflação, a projeção avançou de 9% para 9,1% no Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) no final deste ano. Já para 2022, a expectativa é de inflação de 5,2%, ante 3,9% projetado anteriormente. “A inflação mais elevada a frente acontece não apenas pela depreciação cambial, mas porque passamos a incorporar um prêmio de desancoragem fiscal nas expectativas de inflação dos agentes”, destaca relatório.

No que diz respeito à taxa de juros, Megale e os analistas da XP esperam que a alteração no quadro fiscal mude o cenário base do Banco Central, que deve agir tempestivamente.

“Esperamos agora uma aceleração no ritmo de alta da taxa básica Selic nas duas próximas reuniões do Copom (outubro e dezembro) para 1,5 ponto percentual. Antes esperávamos 1 ponto percentual. Projetamos ainda altas de 1 ponto percentual e 0,75 ponto percentual nas reuniões do comitê em fevereiro e março de 2022, levando a Selic no final do ciclo para 11%”, diz o documento.

 

Relacionadas