Logo BP Money
Arthur Lira (PP-AL) confirma junção de PEC dos combustíveis e benefícios
Ministro da Economia da Argentina renuncia ao cargo
Economia

Vendas no varejo avançam 0,6% em novembro

A Black Friday surtiu menor efeito em 2021.

por Redação BP Money

14 de janeiro de 2022 9:40Atualizado em: 31 de maio de 2022 11:32
Vendas no varejo avançam 0,6% em novembro

O volume de vendas do comércio varejista avançou 0,6% em novembro de 2021, na série com ajuste sazonal, após registrar alta de 0,2% em outubro. A média móvel trimestral teve uma leve queda de 0,1% no trimestre encerrado em novembro. Mesmo com o avanço no dado de novembro, metade das atividades tiveram resultado negativo. As informações são da Pesquisa Mensal de Comércio divulgada nesta sexta-feira (14) pelo IBGE.

Cinco das oito atividades monitoradas registraram taxas negativas em novembro. Mesmo assim o varejo cresceu, sendo impulsionado pelo avanço de supermercados, hipermercados, bebidas, fumo e produtos alimentícios (0,9%). Além disso, artigos farmacêuticos, ortopédicos, médicos, cosméticos e de perfumaria também apresentaram elevações (1,2%), bem como outros artigos de pessoal e doméstico (2,2%).

Já em relação ao volume de vendas e eletrodomésticos, houve uma retração de 2,3%, assim como vestuário, tecidos e calçados (-1,9%), lubrificantes e combustíveis (-1,4%) e jornais, livros, papelaria e revistas (-1,4%).

“O que vimos foi uma Black Friday muito menos intensa, em termos de volume de vendas, do que a de 2020, quando esse período de promoções foi melhor, sobretudo para as maiores cadeias do varejo”, explica o gerente da pesquisa, Cristiano Santos. “Isso se deve, em parte, pela inflação, mas também por uma mudança no perfil de consumo, já que algumas compras foram realizadas em outubro ou até mesmo no primeiro semestre, quando houve maior disponibilidade de crédito e o fenômeno dos descontos. Isso adiantou de certa forma a Black Friday para algumas cadeias”.

Na comparação com novembro de 2020 houve uma queda de 4,2%. Sete das oito atividades investigadas tiveram taxas negativas, com destaque para combustíveis e lubrificantes (-7,1%), móveis e eletrodomésticos (-21,5%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (-2,6%) e tecidos, vestuário e calçados (-4,4%).

A única atividade que cresceu em novembro, ante o mesmo período em 2020, foi artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (+2,5%).