Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Dinheiro

Turismo brasileiro deve fechar 2021 com alta

Ariane Maiaem 28 de novembro de 2021 11:30

     Desde que as restrições contra as ondas do covid-19 começaram, o comercio brasileiro foi afetado em grande escala. Dependendo do setor de transporte para se manter vivo, o turismo ainda enfrenta grandes obstáculos mesmo com as flexibilizações das medidas restritivas.  

    O setor deve terminar o ano com o um faturamento de R$ 130 bilhões, sendo um crescimento de 16% ante 22% registrado no período pré-pandemico. No entanto, apesar do bom desempenho para 2022, apontados pelo levantamento do Conselho de Turismo (CT), o movimento de alta inflacionária impacta tantos as empresas quanto as famílias. 

    A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), que também contribuiu no levantamento de dados, registrou que os segmentos de serviços mostram resultados mais expressivos para o ultimo trimestre, mas podem estar limitados no próximo ano.  

    “A base de comparação explica o resultado, pois, esses foram os setores que mais sofreram o impacto da crise em 2020, estando, também, abaixo do patamar de abril de 2019”, informa a FecomercioSP. De acordo com os dados, os segmentos que demonstraram alta a partir do quarto mês do ano, foram os de transporte aéreo, com alta anual de 83,9% e serviços de alojamento e alimentação, crescendo 61,9%.   

    Ainda no transporte aéreo, a demanda segue com os mesmos números dede junho, quando atingiu um nível acima dos seis milhões em demandas dos passageiros. No primeiro semestre de 2021 houve queda de 7,4% nas atividades recreativas e culturais, sendo o grupo mais impactado do turismo já que depende essencialmente das pessoas completamente vacinadas para que haja um aumento significativo de público e atividades em 2022.  

    Um dos impactos da inflação no turismo é a pressão no orçamento das famílias, que segundo a presidente do CT da FecomercioSP, Mariana Aldrigui, continuará sendo o fator mais importante a ser observado no próximo ano, principalmente a partir de março, quando essa demanda começa a recuar.  

    “Infelizmente, como em outros momentos relevantes para o turismo, fez-se muito pouco em termos de investimentos, oferta de crédito e estímulo à inovação, o que deixa o Brasil ainda mais dependente de seu mercado interno”, disse Aldrigui.  

    O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostrou em um dos seus relatórios que o setor vem enfrentando inflação de 16,75% nos últimos 12 meses, o que mostra um avanço de 5,49% no preço do turismo.  As consequências dessa inflação estão presentes nas passagens aérea, que em 12 meses tiveram alta de 50,11% em seu valor, nos preços dos combustíveis e no aumento desacerbado no valor da energia.  

      Todos esses fatores serão repassados das empresas para os consumidores, fazendo com que a pressão nos preços cresça nos meses subsequentes, o ajuste é apenas uma questão de tempo e deve se estender continuar, pelo menos, até metade de 2022. 

    Relacionadas