Logo BP Money
Prejuízo com o Pix? Bancos driblam novidade e têm resultados positivos
Apple (APPL34) e Kim Kardashian lançam nova coleção de fones
Economia

Para combater inflação, governo estuda reduzir tarifas de importação de 11 produtos, incluindo o aço

A medida tem como objetivo reduzir a alta inflação no País

por Redação BP Money

10 de maio de 2022 16:04Atualizado em: 31 de maio de 2022 11:26
Para combater inflação, governo estuda reduzir tarifas de importação de 11 produtos, incluindo o aço

Para combater a inflação, o Ministério da Economia está estudando zerar as tarifas de importação de 11 produtos, incluindo itens usados na construção civil, como material siderúrgico, e da cesta básica. A medida busca causar um “choque de oferta”, diminuindo os preços da indústria brasileira.

Em março deste ano, o governo já havia aprovado uma medida semelhante, que zerou os tributos de importação do etanol, alguns alimentos e bens de informática e de capital até o fim de 2022.

Com a notícia, as ações de siderúrgicas listadas na Bolsa de Valores despencaram nesta terça-feira (10). Às 15h55 (de Brasília), os papéis da CSN (CSNA3) recuavam 7,13%, enquanto Usiminas (USIM5) e Gerdau (GGBR3) caíam 8,91% e 5,77%, respectivamente.

A medida deve ser discutida pelo Gecex (Comitê Executivo da Câmara de Comércio Exterior) na quinta-feira (12). Também deve entrar em pauta uma nova rodada de diminuição de 10% da Tarifa Externa Comum (TEC) do Mercosul. 

Tal medida propõe reduzir as alíquotas cobradas na compra de produtos de fora do bloco. Dessa forma, o governo procura reduzir o custo de importação de diversos itens, o que contribuiria para forçar os preços da indústria nacional para baixo. 

Em novembro do ano passado, a primeira rodada de redução foi aprovada pelo Mercosul. A redução foi de 10% para a importação de 87% dos produtos de fora do bloco. Em um primeiro momento, o Brasil defendeu que todos os produtos de fora do Mercosul tivessem a tarifa reduzida. Porém, a Argentina solicitou que produtos sensíveis para os vizinhos, como automóveis, autopeças, laticínios, têxteis, pêssegos e brinquedos fossem mantidos. 
 

Inflação preocupa brasileiros

A alta inflação continua no radar dos brasileiros e do governo. Na última quarta-feira (4), o Banco Central (BC) aumentou a taxa Selic em 1 ponto percentual, em uma tentativa de frear a alta dos preços. 

Nesta terça-feira, o BC divulgou a ata da reunião do Copom (Comitê de Política Monetária). O documento destacou o impacto da gasolina da inflação e reforçou que a instituição deve subir a Selic novamente em junho, mas em menor intensidade.