Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Dinheiro

Juros deve ser o mais agressivo desde 2002

Folhapressem 27 de outubro de 2021 20:51
  • Após alta no juros, o BC reforçou a tese de que o ciclo atual de alta de juros deve ser o mais agressivo desde 2002;
  • A nova taxa é a mais alta desde 2017, durante o governo Michel Temer (MDB);
  • Desde 1999, o Brasil teve seis ciclos completos de alta da taxa básica de juros e passa agora pelo sétimo ciclo, que tem sido mais intenso que o previsto.

Ao elevar a taxa básica (Selic) nesta quarta-feira (27) em 1,5 ponto percentual, a 7,75% ao ano (veja mais aqui), o Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central reforçou a tese de que o ciclo atual de alta de juros deve ser o mais agressivo desde 2002.

A nova taxa é a mais alta desde 2017, durante o governo Michel Temer (MDB).

De acordo com o relatório Focus desta semana, em que o BC divulga projeções do mercado, economistas esperam que a Selic encerre 2022 a 9,50% ao ano, 7,5 pontos percentuais acima de quando o BC voltou a elevar os juros, em março deste ano. Na época, a taxa básica estava no menor nível da história, a 2% ao ano.

Algumas instituições financeiras e casas de análise já consideram que os juros devem alcançar os dois dígitos no próximo ano, o que ampliaria ainda mais a distância entre a taxa inicial e a final deste ciclo.

Entre outubro de 2002 e maio de 2003 a Selic escalou 8,5 pontos percentuais. O período começou com 18% e terminou com 26,5% ao ano, segundo série histórica da autoridade monetária.

O ciclo foi marcado por elevações bruscas. Já na primeira reunião, que foi extraordinária (fora do calendário), o BC acrescentou à taxa 3 pontos percentuais, que foi para 21%.

Na época, a autarquia tentava conter a alta do dólar, que ficou próximo de R$ 4 diante da crise de confiança do mercado com as eleições daquele ano, em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) saiu vitorioso.

Na reunião seguinte o BC manteve a taxa e elevou em 1 ponto percentual no encontro de novembro de 2002. Na decisão de dezembro, o BC elevou novamente a Selic em 3 pontos percentuais, para 25% -desde então, a maior alta aplicada em uma só reunião havia sido de 1 ponto.

Mesmo com o choque de juros, a inflação fechou aquele ano em 12,53%, bem acima da meta estabelecida pelo (CMN) Conselho Monetário Nacional de 3,5% com tolerância de 2 pontos para cima e para baixo.

Desde a criação do regime de metas de inflação, em 1999, o Brasil teve seis ciclos completos de alta da taxa básica de juros e passa agora pelo sétimo ciclo, que tem sido mais intenso que o previsto.

O BC começou a usar a Selic como forma de política monetária em março de 1999. Naquele mês, a meta para a taxa básica passou por ajuste, com choque de 20 pontos percentuais, ao passar de 25% para 45% ao ano, sob a gestão de Armínio Fraga.

No primeiro dia no cargo, Fraga convocou reunião extraordinária do Copom e mudou a forma de definir os juros e passou a adotar a Selic, modelo que havia sido desenhado em fevereiro de 2002 por meio de declaração conjunta entre o governo e o FMI (Fundo Monetário Internacional).

Antes, havia um sistema de bandas de juros em que o BC fixava duas taxas, a Tban (Taxa de Assistência), que era o teto, e a TBC (Taxa Básica), que era o piso.

Naquele ano a inflação fechou em 8,94%, acima do centro da meta, que era de 6%, mas dentro do intervalo de tolerância de 2 pontos para cima e para baixo.

O último ciclo de alta antes do atual, entre 2013 e 2015, governo de Dilma Rousseff (PT), terminou com elevação de 7 pontos percentuais -de 7,25% a 14,25% ao ano. O patamar foi mantido até outubro de 2016. Durante o período, contudo, as elevações a cada reunião não passaram de 0,5 ponto percentual.

Em 2013 e 2014 a inflação encerrou dentro do limite estabelecido pelo CMN, embora perto do teto. Em 2015, entretanto, os preços subiram 10,67%.

Relacionadas