Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Dinheiro

JPMorgan: XP e PagSeguro devem se destacar no 3TRI21

Redação BP Moneyem 26 de outubro de 2021 18:45
  • Os analistas projetam uma queda de 11,4% nos lucros da BB Seguridade;
  • PagSeguro apontou para alta de 49% no volume capturado;
  • A projeção é alta de 70,5% no lucro da Cielo no setor de pagamentos. 

O JPMorgan acredita que PagSeguro e Stone devem apresentar os melhores resultados no setor de pagamentos, esse balanço está descrito no relatório referente no relatório referente ao terceiro trimestre do ano. Também é esperado um salto nos lucros da XP. 

No setor de seguros, o banco projeta resultados ruins para Porto Seguro, BB Seguridade e Sul América, enquanto o cenário será mais leve para o IRB Brasil Re e Cielo, que projeta alta de 70,5% no lucro da Cielo no setor de pagamentos. 

Ainda nos pagamentos, a projeção é de alta de 21,4% no da PagSeguro e queda de 12,6% nos ganhos da Stone. Segundo os analistas, a líder de mercado deve crescer menos em volume processado, e a Stone deve ter os dados de concessão de crédito analisados de perto, após o susto do segundo trimestre. Foi destacado ainda que a prévia operacional da PagSeguro apontou para alta de 49% no volume capturado, e acreditam que a Stone deve apresentar elevação de 55% neste indicador. 

 Para as seguradoras os analistas projetam uma queda de 11,4% nos lucros da BB Seguridade, para R$ 970,8 milhões, de 19,8% nos da Porto Seguro, para R$ 320,6 milhões, e de 82,8% para a SulAmérica, para R$ 49,3 milhões.   

O IRB Brasil Re, por sua vez, deve apresentar prejuízo de R$ 25 milhões no trimestre. Ainda no setor financeiro, o JP estima que a XP apresentará lucro de R$ 917 milhões, alta de 69,7% no confronto anual, e que a B3 terá resultado de R$ 1,155 bilhão, acréscimo de 1,6% em um ano. 

"Continuamos vendo um forte impulso no volume capturado de transações para as novatas brasileiras", escreveram Domingos Falavina, Guilherme Grespan, Yuri Fernandes e Marlon Medina, em relatório divulgado na última semana.

Relacionadas