Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Dinheiro

IPO do Nubank é alternativa para acelerar expansão, diz fundador

Lucas Bombana | Folhapressem 24 de novembro de 2021 14:50
  • Segundo o co-fundador da fintech, o ecossistema do grupo financeiro está cada vez mais completo para atender os clientes;
  • Recentemente, o banco anunciou que se prepara para incluir em seu aplicativo ainda neste ano a opção de compra e venda de ações;
  • Foi destacada a base de 48 milhões de clientes alcançada pelo banco digital nos três países em que atua.

A oferta pública inicial de ações do Nubank (IPO, na sigla em inglês), prevista para a segunda semana de dezembro nas Bolsas do Brasil e dos Estados Unidos, servirá para potencializar o crescimento do negócio, que tem como uma das prioridades expandir a oferta de produtos no México e na Colômbia.

"Fazer um IPO é uma consequência do crescimento que a gente vem tendo há quase oito anos e um jeito de acelerar nosso impacto", afirmou David Vélez, co-fundador do Nubank, em vídeo divulgado nesta quarta-feira (24) para comentar sobre a operação de abertura de capital.

Segundo o executivo, o ecossistema do grupo financeiro está cada vez mais completo para atender os clientes nas cinco grandes fases de uma jornada financeira: pagamentos, guardar dinheiro, investimentos, empréstimos e seguros.

Vélez comentou ainda que, no Brasil, onde as operações já estão um pouco mais maduras, a fintech conseguiu reportar seu primeiro lucro líquido, de R$ 76 milhões, no primeiro semestre de 2021. No entanto, o empresário reconheceu que o grupo como um todo ainda "não chegou lá", numa referência ao lucro potencial que o negócio tem. No acumulado de janeiro a setembro de 2021, o grupo reportou prejuízo de US$ 99,1 milhões (R$ 560 milhões).

"Agora, estamos priorizando investir em crescimento de novos produtos, principalmente nos outros países onde estamos ainda começando [em busca de lucratividade]", afirmou o executivo. Além do Brasil, o banco digital tem operações no México e na Colômbia.

Ele destacou também no vídeo alguns dos principais pontos de atenção no radar para os próximos anos. "Todos os negócios estão sujeitos a riscos e obstáculos. No geral, a gente precisa continuar apoiando a nossa marca em todos os aspectos, precisamos manter a privacidade dos dados dos nossos clientes sempre, respeitar as organizações governamentais regulatórias, e ficarmos atentos às taxas de câmbio e juros nos países onde operamos."

Co-fundadora do Nubank, Cristina Junqueira destacou a base de 48 milhões de clientes alcançada pelo banco digital nos três países em que atua, bem como seus reflexos indiretos. "Não é só o número, é o impacto que a gente tem na vida das pessoas, porque são 48 milhões, mas muitas dessas pessoas que a gente vem incluindo no sistema financeiro", afirmou a executiva.

Ela acrescentou também que a distribuição de BDRs do Nubank no âmbito do programa NuSócios busca funcionar como uma porta de entrada para a Bolsa de Valores de clientes que ainda não tiveram a oportunidade de investir no mercado financeiro.

"Investir no IPO é investir na Bolsa, então, sempre tem riscos envolvidos, é importante ter o máximo de informação para cada um poder tomar a melhor decisão para o seu próprio dinheiro", disse Junqueira.

Um dos desafios da instituição, é ampliar a diversidade, que é baixa no sistema financeiro como um todo.

Em outubro do ano passado, Cristina se envolveu em uma polêmica ao dizer que a contratação de profissionais negros é difícil e que a empresa não pode "nivelar por baixo". A empresária depois pediu desculpas pela declaração. No início deste ano, o banco apresentou metas para a contratação de negros.

A fintech tem atraído grandes investidores. Em junho, o megainvestidor americano Warren Buffett aportou US$ 500 milhões (R$ 2,82 bilhões) no negócio digital- o Nubank tem ampliado o leque de serviços aos clientes.

Recentemente, o banco anunciou que se prepara para incluir em seu aplicativo ainda neste ano a opção de compra e venda de ações.

A incursão do Nubank no mercado de investimentos começou em setembro de 2020, quando a companhia adquiriu a corretora Easynvest. Em agosto, a marca da corretora foi trocada para Nu Invest, em meio a um cenário de aumento da concorrência com as instituições financeiras tradicionais.

No fim de agosto o banco anunciou seu primeiro investimento no mercado de comércio eletrônico, com a aquisição da Spin Pay, fintech de pagamentos instantâneos que oferece suporte para compras via Pix no e-commerce.

Em junho, o Nubank trouxe a cantora Anitta para fazer parte do conselho de administração do banco.

Relacionadas