Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Dinheiro

Entenda as mudanças nas cobranças do IOF após aumento

Leonardo Almeidaem 17 de setembro de 2021 17:45
  • O IOF é um imposto cobrado sobre alguns tipos de transações financeiras, como: financiamentos, empréstimos, cheque especial, compras no cartão de crédito, operações de câmbio, investimentos e seguros;
  • As novas alíquotas serão de 0,00559% para pessoas jurídicas e de 0,01118% para físicas, sendo 2,04% e 4,08% por ano, respectivamente;
  • Novas cobranças devem entrar em vigor na próxima segunda (20) e vão até 31 de dezembro.

O presidente Jair Bolsonaro aumentou a alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre operações de crédito para empresas e pessoas físicas entre 20 de setembro a 31 de dezembro de 2021. Decreto foi editado e divulgado na noite desta quinta-feira (16).

O aumento deve gerar uma receita de R$ 2,14 bilhões, que o governo pretende usar para compensar o aumento de gastos com o Auxílio Brasil, novo benefício que substituirá o Bolsa Família, possivelmente com novo valor de R$ 300 . A nova política precisa entrar em vigor ainda em 2021 para não esbarrar nas limitações da lei eleitoral.

Entre abril e novembro de 2020, o governo zerou a alíquota de IOF sobre empréstimos, como uma forma de facilitar o acesso ao crédito em meio à crise econômica gerada pela pandemia. O imposto foi restabelecido no fim do ano passado.

Veja abaixo a explicações de como funciona o imposto, em quais situações em que ele é cobrado e o que mudou nas alíquotas do IOF:

O que é IOF?

O IOF é a sigla para o Imposto sobre Operações Financeiras. Como o próprio nome diz, é um imposto cobrado sobre alguns tipos de transações financeiras. Quem recolhe o imposto são as instituições financeiras e a arrecadação vai para os cofres públicos. O IOF só é cobrado em transações entre empresas ou entre uma empresa (ou banco) e uma pessoa física. As operações entre pessoas físicas são isentas.

Em quais transações se cobra IOF ?

Investimentos: Em algumas aplicações financeiras, o investidor tem que pagar IOF sobre seu ganho quando faz o resgate de um investimento (como ações, cotas de fundos de investimento e CDBs e títulos do Tesouro) em menos de um mês.

Financiamento: Ao tomar um empréstimo no banco, por exemplo, soma-se aos custos financeiros da operação o IOF. Dessa forma, quando o imposto aumenta, mais caro fica o custo efetivo total de um financiamento. O IOF só não incide sobre financiamentos imobiliários. No caso de empréstimos, a alíquota máxima do IOF atté agora era de 3% ao ano para pessoas físicas.

Cartão de crédito: o imposto incide sobre compras feitas por brasileiros com o cartão de crédito internacional no exterior, presencialmente ou on-line.

Cheque especial: Quando o cliente de um banco gasta mais do que tem na conta e entra no limite do cheque especial, paga juros sobre o montante no vermelho. Essa situação configura um tipo de empréstimo. Então o IOF também é cobrado junto com os juros. A alíquota neste caso é de 0,38% sobre o valor. Há ainda a cobrança de 0,0082% por dia até que a conta corrente volte ao azul.

Câmbio: Na compra e na venda de moeda estrangeira, como o dólar, o consumidor tem que pagar um percentual para o governo 

Seguros: A contratação de seguros também prevê a cobrança de IOF.

Quais serão as novas alíquotas do IOF?

As novas alíquotas do IOF sobre o crédito que passam a valer a partir da próxima segunda-feira (20) até 31 de dezembro serão as seguintes:

1.Para pessoas jurídicas: Por dia, passará de 0,0041% para 0,00559%. Por ano, passará de 1,50% para 2,04%.
2.Para pessoas físicas: Por dia, subirá de 0,0082% para 0,01118%. Por ano, subirá 3,0% para 4,08%.

Na prática, estas são as alíquotas máximas cobradas num período de 365 dias. Ou seja, se a operação de crédito para pessoa física for maior que 1 ano, a alíquota máxima cobrada será agora de 4,08%. Além disso, há a cobrança de uma alíquota de 0,38% que recai sobre o valor total contratado do empréstimo, sem cobrança do imposto nas parcelas.

Relacionadas