Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir
Logo BP Money
Carro mais caro do mundo é vendido pela Mercedes por R$ 700 milhões
Bovespa Mais: conheça este tipo de acesso a Bolsa de Valores brasileira
Bill Gates volta a explicar porque não investe em criptomoeda
Economia

'Economia terá um forte crescimento’, afirma Powell

O presidente do Fed tranquilizou o mercado sobre os impactos da Ômicron, mas alerta que o vírus ainda causa “grandes dificuldades”

por Leonardo Almeida

26 de janeiro de 2022 17:01
'Economia terá um forte crescimento’, afirma Powell

O presidente do Banco Central dos Estados Unidos (Fed), Jerome Powell, deu coletiva nesta quarta-feira (26) tranquilizando sobre os possíveis impactos econômicos da variante Ômicron no país, e indicou que os casos devem voltar a cair. O economista afirmou que a economia norte-americana deve ter um retorno “forte” à medida que a vacinação no país avance e os impactos da pandemia sejam mitigados.

“Felizmente, os especialistas em saúde estão descobrindo que a variante (Ômicron) não foi tão impactante quanto outros picos do vírus, agora, eles esperam que os casos caiam rapidamente. Com isso, a economia terá um forte crescimento, apesar do vírus ainda causar grandes dificuldades, o mercado de trabalho tem feito progressos notáveis”, afirmou Powell.

O Comitê Federal de Mercado Aberto do Federal Reserve (Fomc em inglês) anunciou nesta tarde que manteve a taxa de juros dos EUA entre zero e 0,25% ao ano. De acordo com o presidente do Fed, a decisão do Comitê servirá como base para “decisões futuras”, principalmente nos ajustes de desinvestimentos.

“A economia não precisa mais de altos níveis sustentados de apoio à política monetária para a taxa de fundos federais. Claro que precisamos ser ágeis, incluindo o risco de que a inflação alta seja mais do que o esperado”.

Em documento divulgado, a entidade divulgou que espera que a inflação alcance os 2% ao longo prazo, além de afirmar que, a partir de fevereiro, irá aumentar suas participações em títulos do Tesouro em pelo menos US$ 20 bilhões por mês e em títulos lastreados em hipotecas de agências em pelo menos US$ 10 bilhões por mês.