Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Dinheiro

Desemprego recua para 13,2% no trimestre encerrado em agosto

Alexandre Brochado em 27 de outubro de 2021 9:47
  • Taxa de desemprego caiu para 13,2% no trimestre encerrado em agosto;
  • Resultado corresponde a um recuo de 1,14 ponto percentual em relação ao trimestre até maio;
  • Número apresentado para o período ainda representa que 13,7 milhões de pessoas estão em busca de trabalho no Brasil.

A taxa de desemprego caiu para 13,2% no trimestre encerrado em agosto, resultado corresponde a um recuo de 1,14 ponto percentual (pp) em relação ao trimestre até maio, que registrou 14,6%. 

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (27). 

Conforme o IBGE, apesar da queda do desemprego, o número apresentado para o período ainda representa que 13,7 milhões de pessoas estão em busca de trabalho no Brasil. 

O número de pessoas ocupadas é de 90,2 milhões, um avanço de 4%, com mais 3,4 milhões no período. Segundo o estudo, o nível de ocupação subiu 2 pontos percentuais para 50,9%, indicando que mais da metade da população em idade para trabalhar está ocupada. O grupo de ocupados cresceu em 8,5 milhões de pessoas em um ano. 

“Parte significativa da recuperação da ocupação deve-se ao avanço da informalidade. Em um ano a população ocupada total expandiu em 8,5 milhões de pessoas, sendo que desse contingente 6,0 milhões eram trabalhadores informais”, disse a coordenadora de Trabalho e Rendimento do IBGE, Adriana Beringuy, em nota. 

“Embora tenha havido um crescimento bastante acentuado no período, o número de trabalhadores informais ainda se encontra abaixo do nível pré-pandemia e do máximo registrado no trimestre fechado em outubro de 2019, quando tínhamos 38,8 milhões de pessoas na informalidade”, ressaltou Beringuy.

Relacionadas