Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Dinheiro

CVM nega reclamação da Eldorado em briga de R$ 15 bi

Fernanda Brigatti | Folhapressem 15 de outubro de 2021 17:00
  • Os representantes da empresa alegam que um trio de conselheiros atuava para fortalecer a CA Investment.

A CVM (Comissão de Valores Mobiliários) não viu fundamento em uma reclamação feita pela Eldorado Brasil contra a CA Investment (Brazil), empresa ligada à indonésia Paper Excellence.

Na representação encaminhada em abril de 2020 ao órgão que fiscaliza o mercado de capitais, a Eldorado dizia que a CA Investment abusava de seu direito de voto.

Entre os expedientes que seriam usados para tal fim, detalhava a reclamação, estavam medidas como rejeitar contas e demonstrações financeiras e criar obstáculos para o desenvolvimento de negócios, por meio de "incontáveis notificações à Eldorado."

A queixa também referia-se à postura de três integrantes do Conselho de Administração da Eldorado, indicados pela CA, na condição de acionista minoritário.

Eldorado e Paper Excellence dizem que não comentam o assunto.

Na reclamação, os representantes da empresa ligada aos irmãos Joesley e Wesley Batista alegam que o trio de conselheiros atuava para fortalecer a CA Investment no procedimento arbitral em andamento na Justiça, "em evidente atuação contrária ao interesse social da Eldorado."

A discussão da CVM é apenas o capítulo mais recente de um imbróglio muito maior, a disputa societária pela Eldorado, um negócio avaliado em R$ 15 bilhões. J&F Investimentos, holding dos negócios dos Batistas, e a empresa de origem indonésia Paper Excellence brigam há quase cinco anos pela posse da empresa.

Em 2017, depois de pagar R$ 3,8 bilhões para os Batistas, a Paper firmou um contrato de compra e venda do controle da Eldorado.

No entanto, foi à Justiça porque a J&F não transferiu o restante das ações para concluir o negócio. Como justificativa, a família Batista alegou que os indonésios não haviam cumprido cláusulas do contrato. A J&F manteve o controle de 50,59% da Eldorado, enquanto os indonésios, por meio da CA Investment (Brazil), ficaram com 49,41%.

A discussão foi parar numa câmara de arbitragem. A decisão final foi favorável à Paper Excellence.

Em novo movimento, a J&F conseguiu uma brecha para contestar a decisão: questionou, na Justiça comum, a imparcialidade de um dos ábitros indicados pela Paper no processo. Pela legislação que regula os procedimentos arbitrais, se for possível mostrar que um dos árbitros foi parcial, é possível recorrer da decisão.

Dentro desse processo na Justiça comum já foram expedidas três liminares, duas na primeira instância, e um no Tribunal de Justiça de São Paulo. A ação que pede anulação da decisão arbitral deve ter julgamento final nos próximos dias.

Na CVM, a Eldorado afirmou que a CA Investment é concorrente da Eldorado no mercado de papel e celulose e que a atuação dos conselheiros indicados são parte de uma estratégia de enfraquecimento da empresa. O objetivo dessa conduta seria fortalecer a Paper Excellence na disputa arbitral.

"A CA Investment é concorrente da Eldorado e faz tudo quanto possível para implementar a sua estratégia de arruinar os negócios sociais, a fim de obter um desfecho favorável no Procedimento Arbitral", afirma a companhia.

A decisão na CVM em relação aos conselheiros tentou pacificar pontos divergentes entre os acionistas -mas dado o vai-vem do caso, a rejeição à reclamação não chega a ser consideradas conclusiva.

Para a analista da CVM que cuidou da reclamação da Eldorado, as provas apresentadas não comprovaram a atuação abusiva mencionada pela companhia.

As duas empresas também não foram consideradas concorrentes. Segundo o relatório da comissão, a Paper Excellence atua predominantemente no mercado de celulose de fibra longa, enquanto a Eldorado atua com a fibra curta.

"Com base nos documentos acostados aos autos, não foram identificados elementos indicativos da necessidade de realização de diligências adicionais pela SEP [Superintendência de Relações com Empresas]", diz o relatório.

Essa não foi a primeira briga de J&F e Paper na CVM. Em 2019, a comissão arquivou um processo aberto a partir de reclamação da CA Investment contra a Eldorado.

A subsidiária da Paper Excellence queria poder nomear um membro efetivo e um suplente para o Conselho Fiscal da Eldorado antes da assembleia ordinária de acionistas da companhia. A CVM entendeu que não há obrigatoriedade de se eleger um membro permanente "antes do encerramento do mandato em curso, para uma vaga não ocupada" em assembleia ordinária anterior.

A novela entre as empresas deverá ter novos capítulos em breve, com a sentença da ação anulatória da arbitragem apresentada pela holding dona da JBS.

Em julho, a 2ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo determinou a suspensão da transferência da Eldorado -determinada em fevereiro na arbitragem- até que a ação anulatória apresentada pela J&F seja definitivamente julgada.

Quando comunicou seus acionistas da decisão, a Eldorado afirmou que a sentença definitiva nessa ação deve sair em outubro.

Relacionadas