Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Dinheiro

Crise energética na China afeta PIB global

Redação BP Moneyem 27 de setembro de 2021 9:57
  • O aumento da escassez de energia já interrompeu a produção em várias fabricas, incluindo fornecedoras da Tesla e da Apple;
  • A redução de produção pode aumentar os atrasos nas exportações e afetar todo o comércio global;
  • Com a situação, analistas revisaram suas projeções para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) da China.

A segunda maior economia do mundo, a China, está enfrentando uma crise energética decorrente da oferta restrita de carvão e do endurecimento dos padrões de emissões. Esse problema, além de desacelerar a economia chinesa, afeta as cadeias de abastecimento globais.  

O aumento da escassez de energia já interrompeu a produção em várias fabricas, incluindo fornecedoras da Tesla (Nasdaq: TSÇA) e da Apple (Nasdaq), enquanto algumas lojas do nordeste do país precisam operar a luz de velas.

Na Europa, devido ao racionamento de energia, o presidente da Câmara de Comércio da União Europeias do Sul da China, Klaus Zenkel, declarou, segundo a CNN, que até 80 das companhias associadas à Câmara podem ter sido afetadas.

Considerando que o país fornece uma gama de produtos, como materiais para equipamentos de transportes, borracha, produtos têxteis, metalúrgicos, entre outros, a redução de produção pode aumentar os atrasos nas exportações e afetar todo o comércio global.

Em linhas gerais, a maior pressão sobre os padrões de emissão e a forte demanda dos fabricantes e da indústria levaram os preços do carvão a níveis recordes e geraram uma série de restrições do uso no país.

O racionamento foi implementado na semana passada durante o horário de pico em regiões do nordeste.

Com a situação, analistas revisaram suas projeções para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) da China. O Morgan Stanley disse que se os cortes forem prolongados podem reduzir um ponto percentual do crescimento do PIB no quarto trimestre.

Já o Nomura, segundo Investing, cortou suas projeções de avanço para o índice para o terceiro e quarto trimestre, para, respectivamente, 4,7% e 3%. Anteriormente a sua projeção era de 5,1% e 4,4.

Relacionadas