Logo BP Money
China: exportações crescem acima do esperado em julho
Golpes bancários disparam e devem gerar prejuízos bilionários em 2022
Economia

Banco Central eleva Selic para 13,75% ao ano e prevê nova alta

Esta é a 12ª alta consecutiva da taxa básica de juros brasileira

por Alexandre Puga

3 de agosto de 2022 18:36Atualizado em: 3 de agosto de 2022 18:41
Banco Central eleva Selic para 13,75% ao ano e prevê nova alta
Anúncio veio dentro do esperado pelo consenso do mercado/Google Creative Commons

O Banco Central do Brasil subiu a taxa básica de juros em 0,5 ponto percentual, levando a Selic para 13,75% ao ano em 2022. O anúncio veio dentro do esperado pelo consenso do mercado financeiro. Esta é a 12ª alta consecutiva da taxa básica de juros brasileira. Ao anunciar o aumento na taxa Selic, o BC afirmou que irá avaliará a necessidade de um ajuste residual, de menor magnitude, em sua próxima reunião.

O atual ciclo de alta dos juros básicos teve início em março de 2021. No último boletim Focus, lançado na segunda-feira (01), os economistas do BC afirmaram que a taxa básica de juros deve ser elevada em 0,5 ponto percentual, para 13,75% ao ano. Na última reunião do Comitê, em junho, seus membros comentaram a possibilidade de novos aumentos na Selic.

Em maio, no entanto, as autoridades monetárias do Banco Central indicaram que a alta de juros teria fim em junho, porém, com o aumento da taxa de juros nos EUA e na Europa, a Selic foi sendo pressionada. Assim, novos aumentos precisaram ser promovidos.

No meio de junho, o BC do Brasil subiu a taxa básica de juros em 0,5 ponto percentual, levando a Selic para 13,25% ao ano. O anúncio veio dentro do esperado pelo consenso do mercado financeiro, diante da inflação persistente. Foi a 11ª alta consecutiva da taxa básica de juros brasileira.

Na ata do Copom divulgada em 21 de junho, o Banco Central sinalizou que a inflação brasileira deve manter o patamar elevado pelo menos até o final de 2022. A instituição confirmou que apesar do aperto no ciclo de alta de juros, a Selic não será diminuída neste ano, como forma de combater a inflação.

Apesar de confirmar que ela não irá diminuir neste ano, o Comitê tinha estipulado metas para a taxa de juros nos próximos períodos. As projeções eram de 13,25% até o final deste ano, 10,0% em 2023 e 7,50% em 2024. Se o objetivo do Banco Central se concretizasse, a inflação terminaria os respectivos períodos em 8,8%, 4,0% e 2,7%.