Logo BP Money
Criptomoedas: 51% dos latino-americanos já utilizaram ativos digitais, aponta pesquisa da Mastercard
AliExpress anuncia ampliação no número de voos para o Brasil
Economia

Aneel aprova reajuste de até 63,7% em bandeiras tarifárias

Os reajustes variam entre 3,2% e 63,7%, a depender da bandeira

por Redação BP Money

21 de junho de 2022 18:12Atualizado em: 21 de junho de 2022 18:17
Aneel aprova reajuste de até 63,7% em bandeiras tarifárias

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) aprovou nesta terça-feira (21), o reajuste nos valores das bandeiras tarifárias. Os valores estabelecidos entram em vigor a partir de 1º de julho e serão válidos até meados de 2023. 

As bandeiras tarifárias se referem à cobrança extra aplicada nas contas de luz quando há algum aumento no custo de produção de energia. Seguem os reajustes:

- Bandeira amarela: aumento de 59,5%, de R$ 1,874 para R$ 2,989 a cada 100 quilowatts (kWh) consumidos
- Bandeira vermelha 1: aumento de 63,7%, de R$ 3,971 para R$ 6,500  a cada 100 quilowatts (kWh) consumidos
- Bandeira vermelha 2: aumento de 63,7%, de R$ 9,492 para R$ 9,795 a cada 100 quilowatts (kWh) consumidos

Desde 16 de abril está em vigor no País a bandeira verde, quando não há cobrança extra aplicada à conta de luz. A bandeira verde segue sem cobrança adicional. De acordo com a Aneel, a bandeira verde deve continuar em vigor até o fim do ano, uma vez que as hidrelétricas conseguiram recuperar seus reservatórios. 

Leia também: Aneel defende aumento de 21% na conta de luz em 2022

No entanto, a cobrança pode voltar no ano que vem, dependendo do custo para produção de energia. Caso outra bandeira seja acionada, a Aneel irá divulgar em seus relatórios mensais. 

Camila Bonfim, diretora-geral interina, apontou que, mesmo com os aumentos, os patamares seguem abaixo da bandeira “Escassez Hídrica”, adotada entre agosto do ano passado e abril deste ano. Na ocasião, os custos de geração de energia foram muito altos devido à escassez hídrica. A cobrança extra da bandeira estava fixada em R$ 14,20 a cada 100kWh consumidos. 

Leia também: Eletrobras (ELET3;ELET6): Aneel estima que aporte de R$ 5 bilhões possa reduzir tarifas em 2,3%

As distribuidoras de energia sugeriram a criação de uma nova bandeira tarifária para situações extremas, mas a área técnica da Aneel não acatou a sugestão, optando por apenas reajustar as bandeiras já existentes.  

Ricardo Tili, diretor da Aneel, sugeriu que melhorias nos cálculos das bandeiras podem ser feitas para os ciclos futuros. A revisão das bandeiras ocorre anualmente, normalmente na metade do ano.